Eu inventei meu trabalho atual ?!

Por Luiz Fernando Portella*

Não foi intencional. Quando deixei meu emprego como editor de uma revista de jornal nacional, estava um pouco perdido, sem direção. Bem como exausto e doente. Percebo agora que precisava de um treinador de vida, para me ajudar a me recuperar de anos incansáveis ​​de trabalho muito duro, um problema de saúde desafiador e o estresse (e alegria) de me tornar um pai. Além de me ajudar a descobrir o que eu queria fazer a seguir.

Mas eu era jornalista. Sempre aprendi pesquisando e fazendo. Então, não contratei um treinador: li muitos livros, depois treinei para ser um. E, na verdade, isso me deu o que eu precisava. Novas ferramentas para lidar com o mundo, uma atualização e uma reinicialização do meu sistema operacional, suporte de outros treinadores – e uma poderosa percepção de que adoro contar histórias e ouvir outras pessoas contarem as delas. De uma forma ou de outra, isso sempre estará no centro de tudo que eu fizer.

Logo depois, comecei a escrever freelance para outro jornal nacional, onde tive a sorte de passar a próxima década ou mais relatando uma ampla gama de histórias sobre arte, arquitetura, cinema e moda.

Silenciosamente, também comecei o coaching de mídia.

Principalmente, estava ajudando músicos contratados por grandes gravadoras a se apresentarem melhor nas entrevistas. Eu não escrevia sobre música com a frequência que costumava fazer e era minha maneira de ficar conectado com um mundo que sempre amei. Tive uma vasta experiência como jornalista e editor, e gostei de compartilhar isso com jovens artistas se preparando para falar com a imprensa pela primeira vez, ou estrelas mais experientes se preparando para ir a um talk show na TV ou fazendo uma mudança de direção.

Mas eu rapidamente percebi que a maioria precisava de algo um pouco mais profundo do que apenas melhorar suas habilidades de entrevista. Você só pode contar sua história bem se souber qual é a sua história e a direção que deseja que ela tome.

As sessões começaram a ser mais sobre como usar meu treinamento de coach para descobrir o que eles realmente queriam. E dando-lhes ferramentas para lidar com questões de confiança, para descobrir medos e crenças subconscientes, bem como colocar limites claros no lugar e aprender a dizer não com firmeza, mas também graciosamente.

Lentamente, também percebi que muitos dos desafios que os músicos enfrentavam eram também compartilhados por atores, artistas, autores, designers, diretores, fotógrafos, produtores e escritores. Então comecei a me chamar de treinador de criatividade e a trabalhar com todos os tipos de criativos.

Eventualmente, encontrei minha tribo.

Online, me deparei com um punhado de outras pessoas que estavam trabalhando na mesma área e percebi que a função que eu tinha caído por acaso estava se transformando em uma carreira real, talvez até mesmo um pequeno movimento global.

Este trabalho que eu acidentalmente inventei para mim se encaixa perfeitamente em mim. Ele usa todas as habilidades que desenvolvi ao longo da minha vida, todo o conhecimento que ganhei como jornalista, relatando cenários de filmes, ensaios de teatro, nos bastidores de shows de arte ou de moda e trabalhando com fotógrafos, designers, estilistas brilhantes e diretores de arte.

Todos os dias, tenho conversas interessantes com pessoas interessantes e criativas. E ainda tenho tempo para escrever.

Estou falando sobre isso aqui porque acho que todos nós precisaremos nos reinventar continuamente em nossas vidas profissionais. Os setores estão sendo interrompidos, as habilidades que antes eram valorizadas estão se tornando obsoletas e estamos nos movendo em direção a um futuro onde a flexibilidade será fundamental, e as carreiras de portfólio e múltiplos fluxos de renda se tornarão o novo normal.

Isso é assustador e emocionante.

A segurança no emprego está desaparecendo, uma tendência que só foi acelerada pela atual pandemia. Mas nunca houve um momento melhor para criar um estilo de vida e uma carreira que seja única e autenticamente sua.

Recentemente entrevistei a ‘poetisa de emergência’ Deborah Alma. Ela também inventou seu trabalho, viajando pelo Reino Unido em uma velha ambulância oferecendo poemas de cura para pessoas necessitadas. Em seguida, reunindo todas as suas habilidades e experiências de vida em uma loja mágica em Shropshire, The Poetry Pharmacy. Ela admite alegremente que nada disso deve funcionar: ganhar a vida como poeta; abrir uma loja em uma rua comercial de uma pequena cidade, quanto mais uma especializada em poesia. No entanto, com energia, humor, paixão e desenvoltura, isso é exatamente o que ela fez.

Nunca foi tão fácil publicar seus próprios livros. Escreva sobre o que você está interessado e encontre um público para isso. Libere sua própria música. Faça seus próprios vídeos, até mesmo um filme. Trabalhe em uma área de nicho e encontre sua tribo online.

Então, o que você vai fazer com isso? Continue. Invente um trabalho para você.

Fonte: Sheryl Garratt is a writer and a coach helping creatives to get the success they want, making work they love. Want my free 10-day course, Freelance Foundations: the secrets of successful creatives?

________________________________________________________________________

Luiz Fernando Portella* é CCO da Calypso Networks Association, CEO da NBO Participações e Serviços e conselheiro do Instituto de Engenharia, onde também responsável pelo projeto Mentoria a serviço da Engenharia.

*Os artigos publicados com assinatura, não traduzem necessariamente a opinião do Instituto de Engenharia. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.