Algas podem revolucionar a forma como criamos coisas

O desperdício de plástico está obstruindo os aterros sanitários e cada dia mais aumenta a quantidade do material nas vias ​​terrestres – mas, felizmente, os designers holandeses Eric Klarenbeek e Maartje Dros criaram um bioplástico feito de algas que podem ser impressas em 3D em praticamente qualquer forma – e, finalmente, poderia fornecer ao mundo uma alternativa verde viável ao plástico.

Klarenbeek e Dros começaram cultivando algas, que são então secas e processadas em um bioplástico líquido que pode ser usado para objetos de impressão em 3D. Este polímero de algas pode ser usado para fabricar garrafas de shampoo, talheres, e tudo que hoje usa o plástico para sua construção. O processo inovador pode substituir completamente os produtos produzidos a partir de combustíveis fósseis.

Os designers acreditam que os produtos feitos de algas (que absorvem dióxido de carbono durante a fotossíntese) podem revolucionar o mundo da fabricação. “As algas são igualmente interessantes para a produção de biomassa, pois pode rapidamente filtrar o CO2 do mar e da atmosfera”, afirmou a dupla.

“Tudo o que nos rodeia – nossos produtos, casas e carros – pode ser uma forma de ligação de CO2. Se pensarmos nestes termos, os fabricantes podem provocar uma revolução. Trata-se de pensar além da pegada de carbono: em vez de zero emissões, precisamos de emissões “negativas”.

Autor: Engenharia é

COMPARTILHAR