Carreiras do futuro vão exigir um perfil mais flexível do profissional

“O trabalho do futuro passa pela combinação de conhecimentos”, diz a professora Tania Casado (FEA)

Saúde, transformação digital, segurança, inovação, educação, entretenimento, infraestrutura, socioambiental, energia e ética são algumas das novas carreiras apontadas por estudo desenvolvido pelo Escritório de Desenvolvimento de Carreiras da USP (ECar). Segundo o estudo, essas novas carreiras vão exigir do profissional maior flexibilidade para migrar para outras áreas, disposição para viver novas experiências e capacidade de construir redes de contato.

Jornal da USP no Ar conversou com Tania Casado, professora  da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) e coordenadora do ECar, a respeito do estudo, que mapeia as dez carreiras da próxima década.

Tania aponta que a formação padrão utilizada hoje não será tão eficaz, porque as experiências e habilidades de cada trabalhador, nas novas carreiras, serão mais importantes que a formação inicial. “O trabalho do futuro passa pela combinação de conhecimentos. Nesse cenário, saber transitar entre diferentes setores e desenvolver habilidades que, a princípio, não tinham relação com seu ofício, serão competências indispensáveis ao trabalhador”, ressalta a professora.

A coordenadora do estudo do ECar explica que o mapeamento está na primeira parte. Foram feitas entrevistas com especialistas em carreiras profissionais. A segunda etapa vai tratar das competências requeridas para a carreira e acontecerão entrevistas com profissionais de todas a áreas, formações do mercado e acadêmicos da USP. “A ideia é ter cada vez mais informações para ajudar no processo de orientação e desenvolvimentos dos acadêmicos e também para estudantes além da Universidade, com uma trajetória mais satisfatória na vida profissional.”

O método do estudo parte da carreira sem fronteiras. A professora explica que cada pessoa vai escolher as áreas segundo sua habilidade e aptidão. Como exemplo, ela cita o aluno USP, que pode transitar entre vários departamentos de várias unidades para compor seu currículo acadêmico. “A esse currículo acadêmico é preciso agregar outros conhecimentos, que vão além do conceitual. A principal característica do profissional do futuro é aprender sempre”, acentua.

Para Tania, não é preciso ter medo desse cenário. “Pelo contrário, é um cenário que vai favorecer um trabalho mais satisfatório e significativo para as pessoas.” Mais informações do estudo no site do ECar

Fonte: Jornal da USP

COMPARTILHAR