Instituto de Engenharia participa do II Plantio Global

Da esq. p/ dir., em pé, Sueli Bonturi, Cesar Kawamura, Rosana Francwscheli, Vera Ligia. Agachados: Salvador Campos, Roberto Rodrigues, Antonio Batista Filho, Harumi Hojo

O II Plantio Global, ação colaborativa e comunitária para promover as árvores nativas na metrópole, reuniu mais de 500 voluntários no último domingo, 18 de março, na Av. Dr. Dante Pazzanese, em frente ao Instituto de Engenharia e nas proximidades do Instituto Biológico e Museu do Inseto.
Foram plantadas 100 árvores na extensão do Corredor Verde para Polinizadores -CVP-, implementado em 2017, nos arredores do Instituto Biológico, com espécies nativas (árvores, arbustos e forrações atrativas aos polinizadores). Entre as espécies estão Abiu, Pau-viola, Pau-cigarra, Angico, Pau-ferro, Ipê Verde, Jequitibá Branco, Uvaia e Guabiroba.

Um dos objetivos do CVP é conscientizar a população sobre a importância da manutenção do equilíbrio ambiental, com foco na polinização por insetos e avifauna. O projeto foi inspirado em iniciativas internacionais para reverter a situação de declínio da população de polinizadores no mundo – como a realizada em Oslo, Noruega, que implantou a “rodovia das abelhas” com espécies melíferas.

No primeiro Plantio Global, no ano passado, participaram os seguintes países: Austrália, Eslovênia, Espanha, Equador, EUA, França, Japão, Inglaterra, Itália e México. No Brasil, 73 cidades plantaram juntas. O levantamento das cidades que participaram este ano será concluído na próxima semana.


Ao centro, Sérgio Shigeeda, Cades Vila Mariana (à dir.), Benedito Mascarenhas Louzeiro, prefeito regional de Vila Mariana.

A ação é realizada por meio do Conselho de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz – Cades -, da Prefeitura Regional Vila Mariana, do Fórum Agenda 2030, pelas Secretarias Municipal do Verde e do Meio Ambiente e Estadual de Agricultura e Abastecimento, por meio do Instituto Biológico, em parceria com a Prefeitura Regional Lapa, Horta Comunitária da Saúde e Instituto Ecobairro Brasil.

Fonte: Carolina Rocha, Prefeitura Regional de Vila Mariana.

COMPARTILHAR