Seda conserva frutas frescas sem refrigeração

O revestimento de seda altera apenas ligeiramente a cor dos frutos. [Imagem: B. Marelli et al. – 10.1038/srep25263]

Metade das frutas e hortaliças do mundo são perdidas na cadeia de abastecimento alimentar sem chegar aos consumidores, devido principalmente à deterioração prematura desses alimentos perecíveis, de acordo com a Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO).

Engenheiros da Universidade Tufts, nos EUA, apresentaram uma tecnologia que poderá ajudar a diminuir esse desperdício, permitindo que as frutas fiquem frescas por mais de uma semana mesmo na ausência total de refrigeração.

A solução está em um composto inodoro, biocompatível e comestível, feito a partir da seda, que pode ser aplicado sobre as frutas, ficando praticamente invisível.

Fibroína de seda

Sua estrutura cristalina única torna a seda um dos materiais mais resistentes da natureza. Também já se sabia que a fibroína, uma proteína insolúvel encontrada na seda, tem uma notável capacidade de estabilizar e proteger outros materiais, sendo ainda biocompatível e biodegradável – ela está sendo testada, por exemplo, em implantes cerebrais.

Benedetto Marelli e seus colegas mergulharam morangos e bananas recém-colhidos em uma solução de 1% de fibroína de seda, repetindo esse processo de revestimento até quatro vezes.

Em seguida, os frutos revestidos foram tratados com quantidades variáveis de tempo com vapor de água sob vácuo (recozimento a água) para criar diferentes porcentagens de folhas cristalinas no revestimento. Quanto maior o tempo de exposição, maior foi a porcentagem das chamadas folhas-beta que se formaram, e mais robusto o revestimento de fibroína – o revestimento variou de 27 a 35 micrômetros de espessura.

Comparação de deterioração visual e de consistência. [Imagem: B. Marelli et al. – 10.1038/srep25263]

Frutas conservadas sem refrigeração

As frutas – os pesquisadores testaram bananas e morangos – foram então armazenadas a temperatura ambiente. Sete dias depois, as revestidas com a camada mais espessa de fibroína ainda estavam suculentas e firmes, enquanto as frutas não revestidas já estavam desidratadas e descoloridas.

Os testes mostraram que o revestimento de seda prolonga o frescor retardando a respiração dos frutos, mantendo a firmeza dos frutos e evitando seu apodrecimento.

Bibliografia:

Silk Fibroin as Edible Coating for Perishable Food Preservation
B. Marelli, M. A. Brenckle, D. L. Kaplan, F. G. Omenetto
Nature Scientific Reports
Vol.: 6: 25263
DOI: 10.1038/srep25263

Autor: Inovação Tecnológica

COMPARTILHAR