Nanotecnologia terá mais investimento e curso de pós-graduação

A nanotecnologia no Brasil contará com mais investimentos e um curso de excelência na área da engenharia em 2014.

A expectativa é a de que os recursos a serem disponibilizados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) para o setor dobrem, passando de R$ 150 milhões, neste ano, para R$ 300 milhões no ano que vem.

Outra novidade para área é o programa de engenharia de nanotecnologia (Pent) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ), que atuará com mestrado e doutorado em seis linhas de pesquisa a partir do mês de março.

Segundo dados do MCTI, a nanotecnologia, junto com a biotecnologia e as tecnologias ambientais, serão responsáveis pela sexta revolução tecnológica, depois da máquina a vapor (1780 a 1830); das estradas de ferro e o aço (1830 a 1880); da eletrificação de produtos químicos (1880 a 1930), do automóvel e da petroquímica (1930 a 1970); e das tecnologias da informação e comunicação (1970 a 2010).

O setor de produtos nanotecnológicos tem crescido 25% ao ano em termos de valor de mercado. Incorporadas a produtos, as nanotecnologias chegaram a movimentar US$ 250 milhões de dólares em 2010.

Iniciativas

O governo brasileiro tem lançado uma série de ações, como a Iniciativa Brasileira de Nanotecnologia (IBN), criada para promover o desenvolvimento científico e tecnológico na área e a promoção da inovação industrial.

Também este ano, o MCTI lançou o Sistema Nacional de Laboratórios em Nanotecnologia (SisNano), além de um Comitê Interministerial de Nanotecnologia (CIN), composto por 10 ministérios e diversas entidades envolvidas com o setor.

Autor: MCTI

COMPARTILHAR