O Livro Sagrado da Engenharia-Surpresa Geral. Não é o que você está pensando

Faz alguns anos, talvez algumas dezenas de anos. Eu fora contratado por uma firma de engenharia para dirigir o empreendimento de uma potente casa de bombas que retiraria água do mar recalcando-a para atender às necessidades de resfriamento de uma siderúrgica. 

Fui contratado para dirigir e não para desenvolver partes técnicas do projeto, para o que havia, ou melhor, deveria haver e na prática não havia, uma equipe de engenheiros projetistas. 

Tão logo assumi a direção notei que na firma que me contratara não havia um profissional que cuidasse da parte do sistema de combate a incêndio para a elevatória. Esse assunto de combate a incêndio eu dominava,sendo engenheiro civil hidráulico, mas o que me deixou preocupado é que as atividades de direção do empreendimento impediam-me por falta de tempo de assumir essa tarefa técnica.Tentei contratar um colega,mas o prazo de entrega dos documentos era tão exíguo,que para contratar um engenheiro numa época de muito serviço e poucos profissionais competentes, tornava-se impossível. Eu mesmo teria que tocar o serviço e o único auxiliar que pude arrumar foi um estudante do quinto ano de uma escola de engenharia, que apesar de boa formação tinha um defeito original, não era a escola que me formei. Extremamente preconceituoso eu achava que fora da minha escola de engenharia pouca coisa poderia esperar. Quanta bobagem e preconceito…Disseram-me que o jovem engenheirando era muito bom, quase brilhante. Decidi ficar com ele e verificar se os elogios eram ou não merecidos. Para isso eu iria submetê-lo a uma série de situações difíceis ou como diriam os que gostam de sociedades secretas e misteriosas, eu iria iniciá-lo nos segredos herméticos de Minerva, a linda deusa grega que protege a engenharia. 

O jovem futuro colega veio para o primeiro dia de trabalho comigo e cumpriu a primeira condição. Ele me trataria com o título de senhor doutor de engenheiro, mesmo não sendo eu doutor,mas era uma forma de mostrar o que ele deveria esperar,ele iria viver a experiência de ser um fiel e obediente discípulo que serviria um mestre. Começou a iniciação quando eu dei a primeira tarefa: 

-Para você começar deve me trazer amanhã um exemplar do mais sagrado dos livros da engenharia, só que eu não posso dizer que livro é esse. Seu processo de amadurecimento exigirá que você mesmo descubra e não se incomode com os erros que fará nessa busca do”santo sagraal’’.Assim é a iniciação na engenharia… 

O coitado saiu aturdido com a missão e no dia seguinte trouxe-me algo trêmulo,um livro de Análise Matemática e Cálculo Diferencial e Integral do conhecido autor’’Courant’’.Assim respondi:
– Jovem. Esse não é o livro mais sagrado da engenharia,mas seu pecado foi apenas venial, aceitável. 

Se o seu mestre fosse discípulo do saudoso Prof.oCamargo e se você tivesse trazido o livro do Granville eu o demitiria’’ad nutum’’…Terás direito pois a uma segunda chance.
No dia seguinte o coitado trouxe-me um segundo livro e balbuciou:
-Mestre.Eis uma velha edição do livro de “Resistência dos Materiais” do Timoshenko em tradução do respeitado Prof-o Noronha.Se esse não for o livro sagrado da Engenharia que livro poderá ser? 

Confesso que ao ver o livro do Mestre Timoshenko o Engenheiro do Século XX, tremi mas não cedi e continuei o processo de iniciação: 

-Esse livro seguramente é um livro sagrado,tão sagrado como o Courant, mas não é o mais sagrado dos livros. O mais sagrado dos livros está junto a cada um de nós e não percebemos. mas chega de iniciação. Eu te apresentarei ao mais sagrado dos livros e principalmente te contarei o que nem nele e em nenhum outro lugar está escrito,ou seja,como fazer sua exegese,como interpretá-lo e tirar dele os melhores ensinamentos. 

O jovem profissional estava ansioso e eu logo apresentei o livro, pois com todo esse treinamento uma coisa não estava sendo feita,o projeto do sistema hidráulico de combate a incêndio da elevatória. Assim fui até a mesa do telefone e peguei o livro sagrado da engenharia, a lista de telefones classificada, a amarelinha,e comentei: 

-Não há engenharia sem fornecimento de material ou equipamentos. Você deve aprender a usar o livro mais usado da engenharia que é a
lista telefônica classificada de fornecedores… 

O coitado do engenheirando estava atônito. Nunca tinham dito a ele que uma prosaíca lista telefônica fosse um livro sagrado, mesmo sendo a amarelinha. Mas prestem atenção a aula que dei a ele de como fazer a exegese do texto sagrado e como tirar dela os melhores frutos. Regras no caso da seleção da firma de equipamentos de combate a incêndios : 

1)Baseado na lista amarela faça a listagem dos fornecedores de equipamentos de combate a incêndio; 

2)Peça catálogos a todos e depois de receber os catálogos estude-os; 

3)Estude em outros livros,normas e artigos técnicos procurando ficar em dia com o estado da arte; 

4)Depois de tudo isso e com base no material recebido faça um ranking ( listagem ) de todos os fornecedores,começando dos piores aos melhores; 

5)Entre em contato inicialmente com aquele fornecedor pior qualificado,chame um vendedor técnico e com ele abra o jogo. Declare a verdade, que você nada sabe de combate a incêndio e que precisa comprar,atenção,use sempre o verbo comprar um sistema e que para isso você precisa entender como as coisas funcionam.Você ficará surpreso com o que o vendedor técnico lhe ensinará, pois eles são treinados para mostrar e convencer; 

6)Chame depois o segundo menos pior fornecedor e faça a mesma coisa, sempre avisando do seu despreparo no assunto. Esse aviso é fundamental para deixar o vendedor bem a vontade e com isso a conversa corre solta; 

7) Chame agora o terceiro menos pior fornecedor,converse com o vendedor técnico, e você verá que sua conversa já será algo diferente,e você pode dizer que entende muito pouco do assunto combate a incêndio,mas tem algumas noções. Você notará que já dará para dialogar com o vendedor; 

8)Volte agora aos livros,normas e regulamentos,você notará que numa segunda leitura muita coisa, antes pouco compreensível, ficou clara; 

9)No processo de ir chamando progressivamente dos piores para os melhores, você deve guardar as três firmas que melhor lhe impressionaram pelos catálogos para com eles ter a batalha final. Ao chamar um dos vencedores técnicos de uma das três melhores firmas comece a conversa já falando termos do jargão do assunto como classe de incêndio, pressões necessárias etc.,mostrando que de alguma forma você conhece a matéria. Apresente o problema que você tem e peça propostas técnico-comerciais detalhadas. 

Aí,com as propostas dos fornecedores na mão,normas e regulamentos oficiais,tudo isso na mão,nós poderemos fazer o projeto e as especificações.
A
ssim foi feito. O jovem engenheiro fez o previsto e eu acompanhava. Orientado por mim ele fez um esboço do projeto no qual usou os conhecimentos que aprendera na sua escola de engenharia e mais os que aprendera no processo de iniciação,baseado nas informações do livro sagrado. Revi e complementei o trabalho e o enviei ao cliente. 

Esta história terminaria aqui e com final feliz mas eu não posso deixar de contar algo que aconteceu no final do trabalho. 

Eu estava ensinando o neófito quando este fez uma pergunta que denunciava o bom nível do jovem:
-Mestre,como posso separar o joio do trigo?Se os vendedores são treinados para mostrar com alta eficiência as coisas e nos ensinar a como usar seus equipamentos,todavia eles não são filhos de Minerva,que é pura e ética nas verdades. Os vendedores são filhos do deus Mercúrio,deus dos negócios,e como sabemos da mitologia grega o conceito de Mercúrio é algo assim duvidoso. Mercúrio é meio embrulhão, maroto para dizer o mínimo…Como então saber a verdade diferenciando-a da propaganda interesseira? 

Aliás este discípulo amplia a pergunta ao seu mestre: 

-Como saber a verdade na engenharia e também na vida?
Pensei em dar uma resposta genérica,pois mestre que é mestre tem sempre que dar respostas, mas procurei ser honesto e humano e confessei que essa não era tarefa fácil,que deveríamos prestar atenção a tudo,conversar com outros colegas trocando experiências etc.,mas confesso que não tive resposta perfeita para responder a tão difícil questão. Humildemente passo a pergunta aos meus fiéis leitores. 

Como saber a verdade na engenharia e na vida?
Aceito e publicarei as respostas que receber,mesmo que sejam respostas da parte mais fácil da pergunta: 

Como saber a verdade na engenharia? 
Nota- tudo o que foi falado como lista de telefones classificada ( lista amarela ) vale para os sites de procura na Internet.

Ps:.Dedico carinhosamente esta crônica à memória do Engo Max Lothar Hess,que de alguma forma,próximo ao descrito nesta crônica,passou-me informações e verdades que não estão nos livros. Quem, no meu primeiro dia de vida profissional,levou-me a ter tão marcante mestre foi o Profo J.A. Martins,a quem sou profundamente grato pelo fato.

E-MAIL DO AUTOR: manoelbotelho@terra.com.br