A engenharia brasileira no Peru

A Engenharia como a vida, nos apresentam por vezes, no cotidiano, surpresas e situações que nem o mais aguçado e clarividente dos gurus conseguiria prever. Os fatos aqui narrados sucederam no Peru, durante a construção, num contrato “chave na mão”, das linhas de transmissão e subestações do Sistema Mantaro, obra adjudicada à Sade, uma empresa de engenharia brasileira, que após três anos de estudos e negociações venceu, em acirrada disputa com empresas de vários paises, a respectiva concorrência internacional promovida pela Electroperu. Trata-se do mais importante elo de alimentação elétrica da capital do país que iniciando em Lima, localizada a beira mar, frente ao Pacífico, sobe aos Andes, passando próximo a El Ticlio, o ponto mais alto da cordilheira central a 4.818 m, para transportar a energia gerada nas Centrais Hidrelétricas “Santiago Antúnez de Mayolo” e “Restitución” (1008 MW) construídas sobre o rio Mantaro, um afluente distante do Amazonas. Sucessivamente foi construída também uma outra linha compreendendo a interligação Lima-Pisco, seguindo a costa rumo ao sul do país. 

      

Linha de Transmissão 220 KV. MANTARO – PACHACHACA – CALLAHUANCA e Subestações – PERU Tensão nominal: 220 kV.- Extensão : 289 Km – No. de Ternas: 2 – 276 Km/ 1 -13 Km Nº.e tipo de Estruturas: 608 torres metálicas – 8.000 t – Tipos de condutores: CURLEW-PHEASANT -3.500 t

      

 

As planícies costeiras ocidentais do Peru (conhecidas como costa) estão separadas das terras baixas orientais cobertas pela selva da bacia do Amazonas (a selva) pelas altas e escarpadas montanhas dos Andes (a sierra) que percorre o país de norte a sul. O Peru situa-se no oeste da América do Sul, voltado para o Oceano Pacífico, entre o Chile e o Equador, faz fronteira com o Brasil numa extensão de 1.560 km e também com a Colômbia e a Bolívia, com a qual divide o lago Titicaca, o lago navegável de maior altitude do mundo, a 3.821 metros sobre o nível do mar. Recorde-se que as fronteiras com o Brasil no Acre, foram estabelecidas definitivamente entre 1905 e 1906 pela Comissão Mista Brasil-Peru do Alto Amazonas, chefiada, pelo lado brasileiro, por Euclides da Cunha, sob encargo do Barão do Rio Branco.
A capital, Lima, onde vivem mais de 7 milhões de habitantes, tem um clima peculiar, pois embora haja umidade na atmosfera, praticamente nunca chove: muitas casas não possuem telhados, apenas uma delgada laje de cobertura e os automóveis não utilizam limpadores de parabrisas. Isto se deve à corrente de Humboldt que impelindo a água gelada da Antártida, se desloca para o norte ao longo da costa peruana, causando queda da temperatura média da região e afastando as nuvens que provocariam as chuvas sobre a costa. O refluxo das águas desencadeia ciclos de aquecimento e resfriamento do oceano Pacífico dando origem aos fenômenos periódicos de El niño e La niña que afetam as condições meteorológicas de boa parte do Brasil. 

Com 1.285.000 km² e cerca de 29 milhões de habitantes o Peru ocupa hoje, a 4ª posição na América Latina tanto em superfície como em população. É um país multiétnico, formado pela combinação de diferentes grupos ao longo dos últimos cinco séculos e cuja estrutura racial pode ser classificada, de forma aproximada, como sendo 45% ameríndia, 37% mestiça (ameríndios mistos e europeus), 15% europeia e 3% de africanos, japoneses, chineses e outros. 

O Peru foi berço da mais antiga sociedade complexa conhecida das Américas, a civilização Caral que floresceu ao longo da costa do Oceano Pacífico entre 3000 e 1800 a.C. Estes agrupamentos iniciais foram seguidos de uma série de culturas como Cupisnique, Chavin, Paracas, Mochica, Nazca (das misteriosas linhas e geoglifos), Wari e Chimu, famosas por seu grau de desenvolvimento e pelos notáveis trabalhos que realizavam em ouro e argila, os Huacos, vasos geralmente antropomórficos, finamente decorados em vários estilos e cores, utilizados em cerimoniais sagrados nos templos, santuários e cemitérios indígenas. São objeto de desejo de colecionadores de todo o mundo, antigamente vasculhados e comercializados de forma ilegal pelos chamados huaqueros. Exemplos notáveis de huacos podem ser encontrados em Lima, no museu de Arqueologia, Antropologia e História e coleções de huacos eróticos podem ser vistas no museu Larco Herrera. No museu do Ouro, estão reunidas algumas das mais belas peças remanescentes da ourivesaria incaica. Em Lambayeque, no nordeste do país, se encontra o Museu das Tumbas Reais de Sipan que reúne um extraordinário tesouro arqueológico composto de mais de mil peças de ouro encontradas intactas em 1987, na tumba do Senhor de Sipan, da cultura moche, que ali viveu por volta do ano 250 d.C. 

        Inauguração da Subestação de Pachachaca a 4.500 m de altitude. Machu-Pichu (Peru), tesouro arqueológico inca e património da Humanidade

No século XV, os Incas emergiram como um poderoso Estado que, no espaço de um século, formaram o maior império da América pré-colombiana. As sociedades andinas foram baseadas na agricultura, utilizando técnicas como a irrigação e o terraceamento, onde a pecuária de camelídeos(lhamas, vicunhas, alpacas) e a pesca também tinham grande importância. Calcula-se que os incas cultivavam cerca de setecentas espécies vegetais. A chave do sucesso da agricultura inca era a existência de estradas, trilhas e meios de comunicação que possibilitavam uma boa distribuição das colheitas numa vasta região. As principais culturas vegetais eram as batatas (comum e doce), o milho (choclo), a pimenta amarela (aji), pimentão, limão (componentes, junto com o pescado, do ceviche – primícia gastronômica da rica cozinha peruana), algodão, tomate, amendoim, mandioca, a chirimoya (espécie de fruta-pão) e um grão conhecido como quinua, atualmente em voga no Brasil. 

A organização econômica era baseada no princípio da reciprocidade e redistribuição porque estas sociedades não tinham noção de mercado ou do dinheiro. Grãos de cacau e conchas coloridas serviam às vezes como moeda de escambo. A administração, política e o centro das forças armadas do Império eram todos localizados em Cusco (em quíchua, “Umbigo do Mundo” – altitude 3.395m). Para vencer o difícil relevo do país, os Incas, além da agronomia, praticaram um adiantado nível de engenharia viária e de construções. Todo o Império Inca foi unido por excelentes estradas e pontes. Machu Picchu (Velha Montanha), localizada a 2400 metros de altitude, no vale do rio Urubamba é, provavelmente, o símbolo mais típico do Império Inca, quer devido à sua original localização e características geológicas, quer devido à sua descoberta tardia apenas em 1911. Também chamada “cidade perdida dos Incas”, é a cidade pré-colombiana mais bem conservada, sendo um patrimônio da Humanidade, eleita como uma das atuais “7 maravilhas do mundo”. O território inca com uma superfície aproximada de 1.800.000 km² abarcava partes do Peru, Equador, Bolívia e norte de Argentina e Chile. Havia serviços postais que eram realizados por mensageiros (chasquis), atletas velocistas postados a cada 2 km, com postos de controle a cada 30 km, que transmitiam mensagens oficiais entre as maiores cidades na velocidade de 200 km por dia. Notícias também eram veiculadas oralmente pelo sistema Chasqui, pois os incas não desenvolveram uma escrita e para o registro de cálculos matemáticos utilizavam um misterioso feixe de cordas com nós atados, o “Quipi”. A posição de um nó na corda correspondia a um numero pequeno ou grande, mas o código completo dos Quipi até hoje não foi totalmente decifrado. 

Em 1532, os espanhóis e seus aliados indígenas, sob comando de Francisco Pizarro, tomaram como prisioneiro o último imperador inca Atahualpa, em plena cerimônia religiosa na localidade de Cajamarca, o qual, mesmo com o pagamento de um vultoso resgate em ouro, foi executado após um julgamento sumário em que foi acusado de heresia e condenado à morte. 

Lima foi fundada em 1535, consolidando a conquista espanhola e depois foi designada capital do Vice-reino do Peru. O ouro e a prata do Peru irrigaram as finanças do reinado de Felipe II (palácio do Escorial, Invencível Armada, etc.) e as cortes espanholas durante largo tempo, ao passo que o milho e as batatas do Novo Mundo salvaram da fome boa parte da população europeia da época. Os espanhóis trouxeram da Europa o trigo e a videira cujo cultivo se expandiu no pais, com a produção de vinhos, depois proibida pelo rei no século XVII para evitar a concorrência com a metrópole, obrigando os súditos locais a buscar novos usos para a uva que aqui.cultivavam. Surgiu assim o pisco, uma aguardente de uva produzida em Pisco, um porto e cidade ao sul de Lima, daí o seu nome, derivado do quéchua “passarinho” e base do “pisco sour”, o aperitivo nacional peruano, feito com limão, aguardente de uva, xarope de açúcar e clara de ovo. 

Durante o período colonial formou-se na região de Cuzco importante escola de pintura, a chamada Escola de Cuzco, que foi a primeira agremiação artística das Américas e exerceu influência em toda a região andina, desenvolvendo singular síntese entre elementos do barroco espanhol com as visões oníricas de mundo dos indígenas. A influência desses trabalhos no artista francês Paul Gauguin, neto da ativista peruana Flora Tristan, é notável. O conhecido escritor peruano Mario Vargas Llosa um dos grandes nomes da literatura mundial contemporânea, autor de obras primas e de uma extensa bibliografia na qual se inclui um alentado relato histórico de Antonio Conselheiro e da campanha de Canudos na Bahia, (A guerra do fim do mundo), finalmente agraciado com o prêmio Nobel de 2010, descreve em seu livro “El paraíso en la otra esquina” o paralelo entre as vidas distintas da avó, defensora dos direitos da mulher e dos trabalhadores e o neto, pintor, ambos em busca de um utópico paraíso de felicidade para todos os seres humanos. 

Os trabalhos de construção das linhas de transmissão (LT) e subestações (SE) em alta tensão do Mantaro incluíram a execução das obras civis, o projeto, fornecimentos (LT = Sade/Brasil e SE = Alsthom-França), transporte, a montagem dos equipamentos e das 8.000 toneladas de estruturas metálicas treliçadas (608 torres) de mais de 40 m de altura, localizadas em média a cada 475 metros, ao longo do traçado de 289 km das linhas, o lançamento dos pesados condutores (3500 t) de alumínio com alma de aço (ACSR), sob tensão mecânica controlada por “pullers” e freios especiais, superando picos elevados acima de 4500 metros e vales profundos, para evitar o arraste no solo e dano aos mesmos. Incluíram também as espetaculares operações aéreas de regulagem, montagem das cadeias de isoladores e ferragens, o grampeamento e ancoragem nas torres, dos cabos condutores e de cobertura. Como é sabido, em altitudes elevadas o ar é rarefeito, tornando penosos os esforços físicos e provocando o soroche, uma espécie de mal-estar e vertigem – conhecidos dos jogadores de futebol brasileiros que disputaram partidas em La Paz, na Bolívia (3.660 m) – que os nativos combatem mascando folhas de coca. Os trabalhos contaram com a participação de engenheiros e técnicos brasileiros e de pessoal capacitado local, suprido pela subcontratista Cosapi, os quais, ademais da reconhecida habilidade dos profissionais peruanos, inata ou herdada dos antepassados incas, possuem compleição física adequada para trabalhos em tais paragens. Alguns dos problemas cruciais para manutenção dos cronogramas da construção das obras foram: a logística dos transportes para abastecimento das bases e montagens, as dificuldades de acesso, a natureza dos terrenos atravessados e as condições climáticas, ambientais e políticas durante a realização do contrato. 

Como o Peru se situa geograficamente no Cinturão de Fogo do Pacífico dentro do qual se registra 85% da atividade sísmica mundial, terremotos com intensidade superior ao grau 6 na escala Richter, não são raros, obrigando à introdução de elevado fator sísmico nos cálculos estruturais e medidas especiais de segurança na execução dos trabalhos para evitar acidentes, como acontecido algumas vezes no caso ora citado. Concomitantemente, nas encostas da cordilheira, o degelo das neves andinas e as fortes chuvas, ocasionavam com freqüência, avalanches e torrentes de lama e pedras (Huaycos) que provocavam interrupção dos serviços com o soterramento das vias de acesso e um rastro de destruição pelo caminho. Finalmente, e não menos impactante no andamento das montagens, foi o fator político devido ao conflito, então no seu auge, entre as forças do Estado e os guerrilheiros maoístas do Sendero Luminoso, que custou a vida de mais de 70.000 pessoas e durante o qual, os atos de vandalismo eram freqüentes, com a destruição por dinamite de torres que em seguida deviam ser substituídas e vigiadas permanentemente por forças militares. 

Superadas essas dificuldades, e apesar delas, a obra foi concluída com antecipação em relação prazos 
previstos, recebendo o devido prêmio estabelecido em contrato além de um saldo de sólidas amizades que geraram profícuas relações técnicas e comerciais nos anos seguintes. A inauguração foi realizada na subestação de Pachachaca, nos Andes, a única no mundo do tipo encapsulada e isolada a gás SF6, a 4.500 metros de altitude, de cujo cerimonial constou o pedido de um imprevisto discurso em espanhol, no descerramento da placa comemorativa, seguido de um coquetel de confraternização tipicamente peruano com a participação dos habitantes locais: espetinhos de coração de rês (anticuchos) e “pisco sour” servidos ao som da “cueca”. Trata-se de uma dança de origem afro-espanhola em que o casal, colado, mas sem se tocar, elevando e agitando um lenço com a mão, executa, num ritmo alucinante, uma coreografia imitando a corte do galo à galinha, ele audaz, assediando, ela, dengosa, negaceando. 

Uma nova surpresa ainda nos aguardava: em certo momento, aproximou-se uma robusta senhora ameríndia, vestida a caráter com suas múltiplas saias, sorrindo seu dente de ouro frontal e nos “tirou” para dançar a cueca… e agora??!!!. 

Lembrando os versos do Y- Juca – Pirama (O que deve morrer) de Gonçalves Dias, um dos grandes nomes da poesia brasileira de todos os tempos: “Que temes ó guerreiro? Além dos Andes, revive o forte, que soube ufano, contrastar os medos, da fria morte…”. aceitamos esse último desafio das Linhas do Mantaro e a 4.500 m de altitude, literalmente…. dançamos!.
Perde-se o fôlego, mas não se perde o pique! São os Episódios da Engenharia. 

O Peru, uma das economias mais pujantes da América Latina abriga hoje inúmeras empresas de engenharia brasileiras que ali executam trabalhos em consultoria e obras de rodovias, pontes, túneis, saneamento, irrigação, mineração, exploração de gás e petróleo e existem programas de construção conjunta de grandes centrais hidrelétricas aproveitando os enormes recursos hídricos da Amazônia peruana. São projetos de integração que trarão benefícios mútuos para as populações de ambos os países reforçando ainda mais os laços de amizade que unem dois povos irmãos: Brasil e Peru. 

Assuntos relacionados: 

V Missão Técnica peruana no Brasil

Autor: Miracyr Marcato

COMPARTILHAR