Discurso de saudação ao Eminente Engenheiro do Ano 2019

Por Marcelo Rozemberg, membro do Conselho Consultivo do Instituto de Engenharia.

O Instituto de Engenharia homenageia e premia anualmente, desde 1963, um Engenheiro cuja trajetória profissional o tenha destacado pelos relevantes serviços prestados ao País pela prática da Engenharia.

O homenageado de 2019 é o Eng.º Ney Zanella dos Santos

Vice Almirante da Marinha Brasileira, que em sua longa e profícua trajetória profissional, soube, desde o início, combinar a proficiência no domínio das questões afeitas à técnica e à tecnologia com as habilidades sócio comportamentais que atualmente caracterizam o perfil dos bons profissionais.

Paulistano, nascido em 1953,  Zanella morou na cidade de São Paulo até seus 18 anos, sempre na região central – Paraíso, Bela Vista e Jardins.

Alfabetizou-se no Grupo Escolar Maria José, na Bela Vista, e sua primeira professora foi sua mãe Neide, que lecionava naquele colégio e também alfabetizou seu irmão mais velho, Nélson.

Como criança distinguia-se pelo foco, seriedade e empenho com que se dedicou aos estudos de música (já a partir dos 4 anos) e depois aos idiomas, mostrando precocemente saber o que queria e como alcançar seus propósitos.

Estudou, depois, no Colégio Pio XII, que ficava ao lado da Beneficência Portuguesa, e ingressou, mais tarde, no exigente Colégio Bandeirantes.

Desde pequeno, Zanella sempre foi muito curioso e interessado em desvendar o funcionamento das coisas. Desmontava tudo o que estivesse ao seu alcance, mesmo sem a permissão dos pais: relógios, torradeiras, rádios, vitrolas, chuveiros e dezenas de outros objetos. Certa vez, quis saber como os pêndulos de um relógio-cuco controlavam a cronometragem do tempo, os movimentos e o som. Desmontou o cuco todo, que nunca mais voltou a funcionar.

Outra característica marcante é seu gosto de se cercar e interagir com pessoas, criando e cultivando relações, tratando todos com simplicidade e igualdade e com o entusiasmo e atenção com que compartilha suas descobertas e experiências com colegas e amigos.

Seus presentes preferidos sempre foram as ferramentas. No sítio da família, onde se criava frangos, porcos e vacas, seu brinquedo predileto era um microtrator Iseki que, claro, ele desmontou até a última peça. Depois, foi a vez de desmantelar o velho jipe. Mas, ele teve mais sorte com os veículos do que com o cuco. Tanto o trator como o jipe funcionaram perfeitamente depois do desmonte.

Por essas e outras iniciativas, sua mãe o matriculou no Mackenzie para estudar eletrônica. Era o seu sonho ser engenheiro eletrônico, e lá aprendeu também com a teoria a montar e consertar coisas. Houve uma vez, num laboratório do Mackenzie, que surpreendeu colegas e o professor pela rapidez com que montou um rádio, que até mudava de estação. Era a conhecida amplitude modulada. E aí ganhou de presente um multímetro japonês que, segundo ele, usa até hoje.

A série Viagem ao Fundo do Mar que passou na TV aos domingos em meados da década de 60, relatando as aventuras do Almirante Nelson e do capitão Crane no submarino Seaview fascinou-o a ponto de eleger a Marinha como seu futuro profissional.

O exemplo do irmão Nelson, combinado ao desejo de aventura e a possibilidade de aprofundar-se nos estudos, levaram-no à Marinha, facilitado pela logística proporcionada pela parte da família que morava no Rio.

Grandes mudanças ocorreram em sua vida quando foi estudar na Escola Naval, no Rio de Janeiro, a primeira escola de nível superior do país, criada em 1782.

Logo na entrada, teve seu trote aliviado, porque os veteranos descobriram que ele montava rádios. O então aspirante Zanella passava horas e horas no Grêmio de Rádio montando amplificadores de som, fontes de alimentação, multivibradores etc. E assim passou a ser protegido pelos veteranos e se livrou de muitas troças e brincadeiras malandras que os mais velhos impunham aos novatos.

Anos depois, num período de férias o estudante aspirante da Marinha teve a oportunidade de vivenciar o submarinismo numa missão à África que o fascinou desde o cerimonial de batismo do mergulho, como pela intensa interação com as pessoas, pela proximidade do trabalho e pela integração para enfrentar os desafios de fazer tanta coisa num ambiente confinado, que o levaram a dedicar-se ao submarinismo.

Seu colega mais próximo na Escola Naval era o aspirante Posada, do qual é até hoje grande amigo. Também muito curioso, Posada uma vez desmontou o motor do seu velho DKW e espalhou no chão da garagem todas as peças. Teve que chamar o amigo Zanella para ajudar na montagem.

Com esse viés, a carreira de Zanella na Marinha sempre esteve ligada à Engenharia, embora ele fosse oficial do Corpo da Armada e não pertencesse ao quadro de engenheiros da Força. Suas atividades estiveram relacionadas ao Arsenal da Marinha, no Rio de Janeiro, estaleiro que repara e constrói navios e submarinos. A bordo dos submarinos, suas incumbências eram técnicas, e a sua formação ajudou muito na condução e solução das avarias que ocorriam durante as navegações.

Conhecedora do seu perfil técnico, a Marinha designou o já Almirante Zanella para ativar a Secretaria de Ciência, Tecnologia & Inovação e estruturar o setor de pesquisa sob sua administração. Faltava juntar o setor nuclear que, como ele já previa, se agregaria em curto prazo. Atualmente, todo o setor de Pesquisa e Desenvolvimento da Marinha está sob o mesmo guarda-chuva, o que, na avaliação de Zanella, aumenta a sinergia, agrega os pesquisadores e otimiza os recursos.

Ao sair do serviço ativo da Marinha, o Almirante foi chamado para ativar, na sua terra natal, a futura empresa Amazul – Amazônia Azul Tecnologias de Defesa SA.   Zanella costuma rir ao se lembrar de que, no início, eram 7 pessoas, incluindo o motorista, para fazer erguer uma estatal. A empresa foi aberta em 2013, com um capital inicial de R$ 7.500,00.  Se duvidarem, consultem a ata de ativação da Amazul. Portanto, o carro em que andava o seu presidente era bem condizente à realidade. Era com um Corsa 1.0 que Zanella rodava por São Paulo e começava a empreitada de levantar uma empresa singular e inovadora. Mas deu certo. Os esforços valeram a pena.  Mesmo numa conjuntura difícil da economia brasileira, a Amazul cresceu, já está com mais de 1.700 funcionários, tem sede própria, no Butantã, está inserida nos grandes programas brasileiros ligados à energia nuclear e já pôde celebrar conquistas que outras estatais não conseguiram em décadas.

Com essa experiência acumulada à frente da Amazul, o nosso oficial da Marinha e engenheiro Zanella aplica agora seu aprendizado para ajudar o Ministério de Minas e Energia a consolidar no Brasil o setor nuclear como uma fonte de riquezas e de desenvolvimento e a superar desafios para integrar o programa nuclear à cultura nacional.

Por seu legado e especialmente pelo trabalho desenvolvido aqui em São Paulo, onde alavancou uma empresa de tecnologia, de projetos de engenharia e de gestão do conhecimento,  o almirante Zanella recebe hoje o título de Eminente Engenheiro do Ano de 2019, prêmio que ele compartilha com todos que trabalharam ao seu lado e que ele dedica carinhosamente à sua família.

___

Discurso proferido por Marcelo Rozemberg por ocasião da outorga do título de “Eminente Engenheiro do Ano de 2019” pelo Instituto de Engenharia.

São Paulo, 16 de outubro de 2019.

COMPARTILHAR