A Revolução de 32 segundo Getúlio Vargas

Para nós, paulistas, o conhecimento dos fatos históricos que antecederam o movimento constitucionalista de 32 se limitam praticamente aos acontecimentos de natureza cívico- militar ocorridos em solo paulista sendo pouco conhecidas as negociações de cunho político que ocorriam diretamente no Catete, sede do Governo Provisório chefiado por Getúlio Vargas, no sentido de se levar em banho- maria as aspirações de São Paulo até que uma nova assembleia nacional constituinte fosse eleita. 

Como se sabe, consumada a Revolução de 30, a Junta Militar que assumiu o Governo federal após a deposição de Washington Luiz convidou Getúlio Vargas a assumir a presidência da república de um Governo Provisório. De acordo com o Decreto 11398 de 11 de novembro de 1930 investiu-se de poderes ditatoriais que declarava dissolvido o Congresso Nacional, assim como todos os órgãos legislativos estaduais e municipais. No lugar dos governadores seriam nomeados para cada estado interventores federais. Conforme combinado com a junta governativa Getúlio assume o Governo em 3 de novembro daquele ano. 

Getúlio Vargas durante um período de sua vida entre 1930 e 1942, praticamente coincidente com sua permanência no Poder tinha por hábito anotar em caderninhos o dia a dia de suas atividades, às vezes com riqueza de detalhes, incluindo comentários acerca dos encontros realizados em sua extensa agenda política, preocupações sobre intrigas e boatos que proliferavam naquela época, além de suas próprias meditações – um verdadeiro diário pessoal. Estes manuscritos foram reunidos e editados pelo Centro de Pesquisas e Documentação de História Contemporânea – CPDOC da Fundação Getúlio Vargas sob a coordenação de Celina Vargas do Amaral Peixoto, sua neta. 

A partir da leitura deste Diário publicado pela Editora Siciliano em 1995 procurei “pinçar” do texto os fatos que julguei importantes reportados pelo próprio Getúlio pelos acontecimentos de São Paulo ocorridos ao longo de um período de um ano e meio anterior à eclosão da revolução constitucionalista iniciado em 9 de julho de 1932. 

Deve ser salientado que naqueles tempos as noticias, incluindo àquelas chegadas ao Palácio, eram transmitidas apenas por cartas, telegramas, rádio e depoimentos pessoais de mensageiros, ministros, assessores e militares chegados de viagem usualmente por ferrovia. O radio e os telefones a longas distâncias ainda funcionavam precariamente à época. Para se ter uma ideia disso, a informação da revolta paulista só chegou aos ouvidos de um Getúlio surpreso no dia 10 de julho. 

Desde sua posse, Getúlio já manifestava uma grande preocupação pelos acontecimentos de São Paulo nomeando João Alberto interventor em substituição a Plinio Barreto que chefiou interinamente o estado de 6 a 25 de novembro de 1930 sucedendo a José Maria Whitaker nomeado pela junta Militar que depôs Washington Luiz. Com a posse de João Alberto aumentou a disputa pelo espólio do antigo Partido Republicano Paulista disputado pelo Partido Democrático e a Legião Revolucionária fundada por Miguel Costa logo depois da Revolução de 30 com o objetivo de agrupar o setor tenentista e popular no estado e dar sustentação ao interventor João Alberto que, desde o primeiro momento, sofreu forte oposição da elite paulista. 

João Alberto tinha o apoio de Miguel Costa, fundador da Legião Revolucionária, sendo nomeado, então, comandante da Força Pública paulista e secretário de Segurança do Estado. Para o comando da 2ª Região Militar foi designado o General Isidoro Dias Lopes, revolucionário de 22, sendo no entanto substituído pelo General Gois Monteiro ainda em 1931 por desavenças com Vargas. 

João Alberto permaneceu no cargo até ser substituído pelo magistrado paulista Laudo Ferreira de Camargo em 25 de julho de 1931 após terem sido frustradas as tentativas em torno do nome do ex – interventor Plinio Barreto, afinal preterido em função da imensa oposição a seu nome por vários grupos políticos. Com a queda de João Alberto Miguel Costa foi afastado da Secretaria de Segurança, mas manteve-se no comando da Força Pública. 

Com a renúncia de Laudo de Camargo, Getúlio nomeia em 13 de novembro de 1931 o coronel Manuel Rabelo que já havia sido cogitado anteriormente como interventor interino desconsiderando a recomendação de João Alberto que queria nomear para o cargo Souza Dantas, seu antigo secretário da Fazenda. Este fato contribuiu para a crise com as elites políticas paulistas que se opunham ao controle do estado pelo tenentismo representado por Manuel Rabelo. Isto redundou no rompimento do Partido Democrático com o Governo Provisório em janeiro de 1932. 

Manuel Rabelo deixa a interventoria em 7 de março de 1932 sendo substituído por Pedro de Toledo, um civil paulista porém não ligado aos elementos que hostilizavam a Revolução. Este nome foi sugerido a Getúlio por Flores da Cunha e Mauricio Cardoso, ministro da Justiça de Getúlio.
Pedro de Toledo mantem intensas negociações políticas tentando organizar seu secretariado com nomes do Partido Republicano Paulista e do Partido Democrático com o aval de Getúlio. Mas a situação de São Paulo se agrava com a imposição de um novo secretariado pela Frente Única Paulista. Miguel Costa é demitido do Comando da Força Pública pelo Secretário da Justiça. O coronel Rabelo, enviado por Getúlio à São Paulo, assume o comando da 2ª Região Militar e logo envia um emissário ao Catete manifestando sua desconfiança com relação ao novo governo paulista. 

No dia 9 de julho de 1932, o Interventor Pedro de Toledo, já aclamado Governador Civil da Revolução após o episódio de 23 de maio, telegrafava ao ditador Getúlio Vargas: “Esgotados os meios que ao meu alcance estiveram para evitar o movimento que acaba de se verificar na guarnição desta Região ao qual aderiu o povo paulista, não me foi possível caminhar ao revés dos sentimentos do meu povo”. Começava a Revolução Constitucionalista quando tropas da 2ª Região Militar e da Força Pública de São Paulo, comandadas por Isidoro Dias Lopes e Euclides Figueiredo levantaram-se contra o Governo Provisório. 

Para uma melhor compreensão dos episódios que precederam a revolução dos paulistas, sob a ótica do Governo Provisório, apresentam-se a seguir trechos selecionados do Diário escritos no período de 21 de janeiro de 1931 à 13 de julho de 1932 pelo próprio Getúlio Vargas: 

DIÁRIO DE GETULIO VARGAS
1931
JANEIRO
21 A 24
VISITA DE MORATO INSISTINDO NA SAIDA DE JOÃO ALBERTO DO GOVERNO DE SÃO PAULO
29
COMPARECE O INTERVENTOR JOÃO ALBERTO, OSVALDO ARANHA E JUAREZ TÁVORA
30
RECEBO O MINISTRO DA FAZENDA E O INTERVENTOR DE SÃO PAULO COM QUEM TRATAMOS DE SOCORRER AS FINANÇAS PAULISTAS, DA ELABORAÇÃO DE UMA LEI SOBRE A COMPRA DOS STOKS DE CAFÉ E DA COBRANÇA EM ESPÉCIE SOBRE AS NOVAS SAFRAS.
FEVEREIRO
4
PELA MANHÃ RECRUDESCENCIA DA CRISE ITALIANA EM SÃO PAULO
5 A 15
SOLUÇÃO DA QUESTÃO DO CAFÉ PELA COMPRA DOS STOKS
16 E 17
JOÃO ALBERTO VEM DE SÃO PAULO. QUER AFASTAR ISIDORO DO COMANDO DA REGIÃO E COLOCÁ-LO COMO MINISTRO DA GUERRA. MANOBRAS NESTE SENTIDO, OFENSIVA CONTRA LEITE DE CASTRO FEITA POR JOÃO ALBERTO ATRAVÉS DE GOIS MONTEIRO, ENTREVISTA DE MENDONÇA LIMA, AVISO DE QUE ESTE FORA TENTAR A GUARNIÇÃO DO PARANÁ. RESISTO À INVESTIDA.
18 A 21
CONTINUAÇÃO DOS BOATOS ACERCA DA ENTREVISTA DE MENDONÇA LIMA. NO PARANÁ , TENTATIVA DE MUDANÇA DO MINISTRO DA GUERRA- SUBSTITUIÇÃO DE LEITE DE CASTRO POR ISIDORO LOPES. ARANHA DIZ QUE ESTE CONSPIRAVA SER DITADOR EM CUMPLICIDADE COM A GUARNIÇÃO DE SÃO PAULO E O PARTIDO DEMOCRÁTICO. O MAJOR MENDONÇA LIMA JUSTIFICA-SE E ACUSA O GENERAL ISIDORO.
27
REUNIu-SE AQUI O CORONEL JOÃO ALBERTO, INTERVENTOR DE SÃO PAULO,COM O SEU SECRETÁRIO DE FAZENDA, DR SOUZA DANTAS, E O MINISTRO DA FAZENDA, DR WHITAKER. TIVEMOS LONGA COMFERENCIA EXAMINANDO AS DIVERSAS MEDIDAS NECESSÁRIAS PARA EVITAR A QUEDA DO CAFÉ E A DO CAMBIO.
MARÇO
20 A 28
O INTERVENTOR DE SÃO PAULO VEM PLEITEAR A CONTINUAÇÃO DE SE INTERVIR NO MERCADO DE CAFÉ A FIM DE EVITAR MAIOR BAIXA DESTE PRODUTO. QUESTÃO DE LIMITES ENTRE MINAS E SÃO PAULO.
MARÇO
28
REGRESSO DE LUZARDO QUE APARECE ACOMPANHADO DE VIRGILIO MELO FRANCO. ESTE SEGUE PARA SÃO PAULO, COMO EMISSARIO, PARA ACOMODAR OS DESAVINDOS E TRAZER-ME INFORMAÇÕES.
ABRIL
4 A 9
ESBOÇAM-SE.OU ANTES, AGRAVAM-SE AS CRISES DE SÃO PAULO, RIO DE JANEIRO E A DE BERNARDES EM MINAS. EM SÃO PAULO OS DEMOCRÁTICOS ROMPEM COM O INTERVENTOR. ESTE E MIGUEL COSTA CONFERENCIAM COM O MINISTRO DA JUSTIÇA. RECEBO A VISITA DO GENERAL ISIDORO.
10
ALMOÇAM COMIGO OS GENERAIS ISISIDORO E LUZARDO. COM ELES ASSENTO A IDA DO PRIMEIRO PARA O ESTADO DO RIO E DO SEGUNDO PARA SÃO PAULO, COMO INTERVENTORES.
11
RECEBI A VISITA DE VIRGILIO MELO FRANCO COM UMA CARTA DE OSVALDO. VINHA DIZER-ME QUE O CONVITE FEITO A ISIDORO E LUZARDO NÃO TIVERAM DA PARTE DELES O NECESSÁRIO SIGILO, TORNARA-SE PUBLICO. AS DECLARAÇÕES DE MORATO DAVAM A COMPREENDER UM ENTENDIMENTO PREVIO ENTRE LIBERTADORES E DEMOCRATICOS.
O CASO TOMAVA O ASPECTO DE UMA IMPOSIÇÃO POLÍTICA IRRITANDO OS MILITARES REVOLUCIONARIOS CONTRA A DECISÃO E CONTRA LUZARDO. TRAZIA-ME UMA CARTA DO MINISTRO DA JUSTIÇA: A SOLUÇÃO NÃO SERVIA.
SOUBE AINDA QUE JOÃO ALBERTO E MIGUEL COSTA AINDA NÃO HAVIAM SIDO CHAMADOS PELO MINISTRO DA JUSTIÇA QUE NÃO HAVIA RECEBIDO MEU RECADO NESTE SENTIDO.
RESPONDI QUE A SOLUÇÃO AINDA NÃO ERA DEFINITIVA, FORA CONSULTADO UM DOS ASPECTOS DA QUESTÃO. FALTAVA OUVIR A OUTRA PARTE E MANDEI CHAMAR O JOÃO ALBERTO.
14 E 15
JOÃO ALBERTO VEIO FALAR-ME. EXPLICOU A STUAÇÃO FICANDO RESOLVIDA SUA PERMANENCIA NO CARGO
PEDI A EIRAS QUE FOSSE A SÃO PAULO FALAR COM ISIDORO, COMUNICAR-LHE A RESOLUÇÃO TOMADA QUANTO A SÃO PAULO E AO ESTADO DO RIO.
16
COM O MINISTRO DA JUSTIÇA, VIRGILIO DE MELO FRANCO E JULIO DE MESQUITA TRATAMOS DO CASO DE SÃO PAULO.
27 A 29
O EMBAIXADOR MACEDO SOARES FEZ ONTEM EM SÃO PAULO UM DISCURSO INCOVENIENTE SOBRE A POLÍTICA DO ESTADO DIZENDO-SE AUTORIZADO POR MIM.
A VERDADE ERA QUE EU APENAS O AUTORIZARAA FALAR AOS SEUS AMIGOS TRANQUILIZANDO-OS QUANTO A BOA VONTADE DO GOVERNO EM SOLUCIONAR OPORTUNAMENTE O CASO PAULISTA.
ELE FEZ DECLARAÇÕES INCONVENIENTES E ABUSIVAS. O MINISTRO DA JUSTIÇA COMUNICOU-ME PELO TELEFONE E DESAUTORIZOU O EMBAIXADOR PELOS JORNAIS. GRANDE EXALTAÇÃO EM SÃO PAULO, MOTIM NA FORÇA PUBLICA, REPRESSÃO IMEDIATA. RECEBO O TELEFONE DE MACEDO SOARES CONTESTANDO O MINISTRO DA JUSTIÇA E ME COMUNICANDO. RESOLVO DESAUTORA-LO E EXONERAR DO CARGO.
30
O DISCURSO DE MACEDO SOARES EM SÃO PAULO PROVOCOU EXALTAÇÃO DE ESPIRITOS, UMA TENTATIVA DE REBELIÃO NA FORÇA PUBLICA DE SÃO PAULO LOGO DOMINADA.. DESSAUTORIZO AS DECLARAÇÕES DE MACEDO SOARES QUE SOLICITA DEMISSÃO.
UM OFICIAL ENCARREGADO DO INQUÉRITOSOBRE A SUBLEVAÇÃO DE SÃO PAULO TRAZ O INFORME DE QUE O COMANDANTE DA FORÇA PUBLICA ACUSOU O GENERAL ISIDORO COMO INSTIGADOR, PEDINDO A NOMEAÇÃO DE UM OFICIAL DE POSTO CORRESPONDENTE AO DAQUELE GENERAL PARA PRESIDIR O INQUERITO.
MAIO
1
A TARDE RECEBO O GENERAL FRAGOSO A QUEM CONVIDO PARA PRESIDIR O INQUERITOSOBRE A REBELDIA DA POLICIA DE SÃO PAULO.
6 A 8
FORAM DIAS PENOSOS E CHEIOS DE CONFUSÃO. SÃO PAULO CONTINUA SER UM PONTO DE INQUETAÇÃOE AMEAÇAS. ISIDORO CHAMADO NÃO VEIO ALEGANDO DOENÇAS.
19 A 25
AGITAÇÃO EM SÃO PAULO EM TORNO DO GENERAL ISIDORO. VINDA DESTE AO RIO.
JUNHO
7 A 11
RETIREI O GENERAL ISIDORO DE SÃO PAULO. RETIRA O PEDIDO DE DEMISSÃO E ACEITA A INSPETORIA DAS REGIÕES.
12 A 16
ACALMAM-SE OS RESSENTIMENTOS DO GENERAL ISIDORO COM O OFERECIMENTO DE SUA NOMEAÇÃO.
30 DE JUNHO A 7 DE JULHO
SÃO PAULO CONTINUA INQUIETANDO.
7 A 14
JOÃO ALBERTO COMUNICA SUA RESOLUÇÃO DE DEIXAR A INTERVENTORIA DE SÃO PAULO. PROCURO UM SUBSTITUTO, ENVIO WHITAKER A SÃO PAULO, DOU INCUBENCIAS A JOÃO ALBERTO, OUÇO OS DEMOCRÁTICOS ETC. PROMETO AGUARDAR CARTA DE JOÃO ALBERTO.
15 A 18
RECEBO A CARTA DE JOÃO ALBERTO COMUNICANDO A ACEITAÇÃO DE PLINIO, A AQUIESCENCIA DE GOIS, MIGUEL COSTA, EXÉRCITO E POLICIA.INDICADOS TAMBEM O NOME DOS SECRETÁRIOS. CHEGA PLINIO BARRETO COM QUEM ME ENTENDO, CONFIRMANDO O CONVITE E ACEITANDO AS PESSOAS INDICADAS PARA SECRETÁRIOS.
LEVANTAM-SE PROTESTOS AQUI E EM SÃO PAULO CONTRA A CANDIDATURA DE PLINIO EXUMANDO-SE UM ARTIGO DESTE ATACANDO OS OFICIAIS REVOLTOSOS DO COPACABANA. ESCCREVE- ME DEPOIS O CHEFE DE POLÍCIA DO ESTADO QUE PONDERA QUE O NOME DE PLINIO NÃO SATISFAZ AOS INTERESSES DA TRANQUILIDADE DE SÃO PAULO.
CHEGA O GENERAL GOIS TRAZENDO CARTA DE MIGUEL COSTA PROPONDO ESCOLHER OUTRO INTERVENTORQUE SE ORGANIZE O GOVERNO COM SECRETÁRIOS REPRESENTANDO OS DIFERENTES GRUPOS POLÍTICOS.REDUZO ADALBERTO CORREIA QUE SE MANIFESTARA CONTRA PLINIO.
O CASO DE SÃO PAULO COMPLICA-SE. CONVERSEI COM GOIS MONTEIRO, MIGUEL COSTA, FLORIVALDO LINHARES E VERNEY. TODOS AFIRMAM QUE SERÁ EMPOSSADO PLINIO BARRETO SE O GOVERNO DETERMINAR, MAS QUE ESTE NOME NÃO SATISFARÁ SÃO PAULO COMO SOLUÇÃO TRANQUILIZADORA PELA OPOSIÇÃO DE VARIOS GRUPOS POLÍTICOS, PORQUE SE TORNOU CANDITATURA DE FACÇÕES
MANIFESTAÇÕES, CONFLITOS E GREVES EM SÃO PAULO. PLINIO BARRETO ESCREVE A JOÃO ALBERTO DESISTINDO DA CANDIDATURA .
18 a24
CONTINUA EMDISCUSSÃO O CASO DE SÃO PAULO. Resolvo enviar Osvaldo Aranha a São Paulo em companhia de Gois Monteiro para assegurar a posse de Plinio e no caso deste desistir, escolher outro nome que seja uma garantia de tranquilidade para o Estado. Foi escolhido Lauro de Camargo magistrado estadual. Grande satisfação no estado e fora dele, impressão geral de prestigio do governo. Antes da decisão, vários próceres da revolução reunidos com o ministro da guerra fizeram reafirmação de apoio ao governo a fim de que pudesse agir com mais segurança. Recebo muitos comprimentos pela solução do caso de São Paulo.
25 a 7 de agosto
Os principais acontecimentos foram crise política em São Paulo provocada pelas nomeações feitas pelo interventor; divergências dos generais Miguel Costa e Gois Monteiro com o interventor; conspiração do general Isidoro auxiliados pelos coronéis Teopombo, Meira e Figueiredo; intervenção de Assis Brasil a favor de Isidoro.
31 DE AGOSTO A 6 DE SETEMBRO
O MINISTRO DA FAZENDA SEGUIU PARA SÃO PAULO. DEVE TRAZER O NOME DO FUTURO PRESIDENTE DO BANCO DO BRASIL.
9 A 14
TOMA POSSE O SR ALMEIDA PRADO, NOVO PRESIDENTE DO BANCO DO BRASIL.
21
MIGUEL COSTA INSTALA O CONGRESSO DA LEGIÃO REVOLUCIONÁRIA DE SÃO PAULO. PROVAVEL DE SÃO PAULO E MINAS, APREENSÃO DO GENERAL GOIS MONTEIRO
22 A 29
CONTINUAM OS INFORMES SOBRE OS ENTENDIMENTOS DOS LEGINARIOS DE MINAS E DE SÃO PAULO COM AS RESPECTIVAS POLICIAS PARA FORMAR UMA ORGANIZAÇÃO HOSTIL AO GOVERNO. VINDA DO SECRETARIO DO INTERIOR DE SÃO PAULO E DO GENERAL GOIS MONTEIRO, PALESTRAM COM O GENERAL LEITE DE CASTRO PARA QUE SEJAM TOMADAS PROVIDENCIAS REFORÇANDO O EXERCITO NOS DOIS ESTADOS.
MOVIMENTO DOS AGRICULTORES DE CAFÉ EM SÃO PAULO CONTRA O MINISTRO DA FAZENDA POR CAUSA DO DECRETO SOBRE A FISCALIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO CAFÉ.
OUTUBRO
2 A 6
SÃO PAULO COMPLICA-SE. O INTERVENTOR AMEAÇA RENUNCIAR AO CARGO SE PERMANECER MIGUEL COSTA NO COMANDO DA FORÇA PUBLICA. O GENERAL GOIS ACHA-SE AQUI HÁ VARIOS DIAS AGUARDANDO REFORÇOS DE HOMENS E MATERIAL EM VIRTUDE DA INFERIORIDADE DO EXERCITO NAQUELE ESTADO RELATIVAMENTE À POLICIA. O CORONEL RABELO, COMANDANTE INTERINO DA REGIÃO, FALA POR TELEFONE DIRETAMENTE AO GUANABARA PEDINDO REFORÇOS E DIZENDO QUE A SITUAÇÃO É GRAVE E EMINENTE A RENUNCIA DO INTERVENTOR SEM FORÇAS PARA MANTER-SE NO GOVERNO. A FIM DE EVITAR ALARME COM A REMESSA DE FORÇAS PREFIRO CHAMAR AQUI MIGUEL COSTA E FALAR-LHE CLARO.
7 A 11
CHEGO A UM ACORDO COM MIGUEL COSTA QUE PROMETE DEIXAR O COMANDO DA FORÇA PUBLICA PAULISTA.
15 A 18
FICA RESOLVIDO O CASO SURGIDO EM SÃO PAULO. ACOMODAM-SE AS DIVERGENCIAS ENTRE O MINISTRO DA FAZENDA E OUTROS QUE FIZERAM CONTRA ELE UMA OFENSIVA ORÇAMENTARIA.
30 E 31
AS COISAS EM SÃO PAULO COMPLICAM-SE. AGITAÇÃO DOS AGRICULTORES DE SÃO PAULO CONTRA O MINISTRO DA FAZENDA. CONVERSO COM O CAPITÃO JOÃO ALBERTO QUE SEGUE PARA SÃO PAULO A FIM DE ENCONTRAR UMA SOLUÇÃO PARA O CASO.
NOVEMBRO
1 A 8
ASSENTADA A DISPENSA DO SECRETARIO DA FAZENDA DE SÃO PAULO.
9 A 12
JOÃO ALBERTO COMPLICA O CASO DE SÃO PAULO PEITEANDO A SAIDA DE TODO O GOVERNO QUANDO DEVIA SER APENAS DO SECRETARIO DA FAZENDA.
13 A 15
JOÃO ALBERTO APROVEITA PARA COLOCAR NO GOVERNO SEUS ANTIGOS SECRETARIOS E VEM PLEITEAR A NOMEAÇÃO DO SR SOUZA DANTAS PARA INTERVENTOR. RECUSO ESTE NOME, PREFIRO MANTER O CORONEL RABELO QUE JÁ HAVIA DESIGNADO PARA INTERVENTOR INTERINO E DIGO A JOAO ALBERTO QUE REGRESSA A SÃO PAULO, QUE VENHA COM O CORONEL RABELO.
15 A 19
VEM DE SÃO PAULO JOÃO ALBERTO, MIGUEL COSTA E RABELO. RECEBO-OS JUNTAMENTE COM GOIS. O PROBLEMA É COMPLEXO. HÁ RESTRIÇÕES SOBRE A NOMEAÇÃO DO CORONEL RABELO QUE TODOS O ELOGIAM POR SER MILITAR. SEMPRE, POREM, QUE HÁ UMA DISCUSSÃO SOBRE UM NOME CIVIL SURGEM AS DIVERGENCIAS , PORQUE QUEREM UM CIVIL DA SUA GREI, QUE FAÇA A POLÍTICA DA LEGIÃO- PELO MENOS É O QUE DECLARA MIGUEL COSTA. RESOLVO DEIXAR O CORONEL RABELO PARA GANHAR TEMPO E EXAMINAR MELHOR O TABULEIRO.
1932
JANEIRO
2 a 6
DEMOCRATAS DE SP AMEAÇAM ABRIR LUTA CONTRA RABELO
6 A 10
OFENSIVA PAULISTA PARA SUBSTITUIÇÃO DO INTERVENTOR. O GENERAL GOIS PEDE DEMISSAO DE COMANDANTE DA 2ª REGIAO DE SÃO PAULO
11 A 16
PAULO DE MORAIS BARROS EM NOME DO PARTIDO DEMOCRATICO VEM FALAR-ME SOBRE A SUBSTITUIÇÃO DO INTERVENTOR RABELO . COMBINO COM ELE, QUE REGRESSANDO A SÃO PAULO INTERPELE O GENERAL MIGUEL COSTA E, SE ESTE RECUSAR O ENTENDIMENTO, ESCREVA-ME COMUNICANDO INDICANDO-ME ALGUNS NOMES QUE OS DEMOCRÁTICOS JULGUEM EM CONDIÇÕES.
ELE REGRESSA A SÃO PAULO NADA ME COMUNICA E O DIRETORIO DEMOCRÁTICO PUBLICA UM MANIFESTO ROMPENDO COMIGO. ESTE ROMPIMENTO ATÉ AGORA NÃO TEVE REPERCUSSÃO APRECIÁVEL.
18 A 22
O CORREIO DA MANHÃ NOTICIOU QUE EU RECEBERA UMA CARTA DO GENERAL MIGUEL COSTA ENVIANDO UMA LISTA DE NOMESPARA INTERVENTOR DE SÃO PAULO. DESTA CARTA SÓ TINHA CONHECIMENTO O OSVALDO.
23 A 28
NO DIA 25 HOUVE NA CAPITAL DE SÃO PAULO ALGUMAS ARRUAÇAS COM DEMONSTRAÇÕES SEPARATISTAS E ATAQUES AO CENTRO GAUCHO
FEVEREIRO
1 E 2
O DIRETORIO LIBERTADOR MANIFESTA SUA SOLIDARIEDADE AOS DEMOCRATICOS DE SÃO PAULO. NO DESPACHO COM O MINISTRO DA JUSTIÇA, TENHO COM ELE UMA LONGA TROCA DE IMPRESSÕES SOBRE O CASO PAULISTA QUE ELE JULGA URGENTE RESOLVER.
PARTE DESTA PALESTRA FOI ASSISTIDA POR FLORES DA CUNHA. TAMBEM OSVALDO ESCREVE-ME DUAS CARTAS DANDO SUA IMPRESSÃO E INSTANDO PARAUMA SOLUÇÃO PARA O CASO DE SÃO PAULO. OS JORNAIS DEPOIS NOTICIARAM ESTAS CARTAS MAS NÃO FUI EU QUEM AS REVELOU.
3 A 10

ESCREVI AO RAUL PILLA RESPONDENDO A SUA CARTA E NARRANDO O CASO DE SÃO PAULO COMO ESTRANHANDO A ATITUDE DO DIRETORIO LIBERTADOR.
14 A 17
AGRAVA-SE A QUESTÃO PAULISTA COM A UNIÃO DOS DEMOCRÁTICOS E PERREPISTAS EM FRENTE ÚNICA. ACHAM-SE AQUI OS GENERAIS GOIS E MIGUEL COSTA TODOS BEM INTENCIONADOS PARA A SOLUÇÃO DO CASO.
18 A 31
FAÇO SEGUIR PARA SÃO PAULO O MINISTRO DA JUSTIÇA ACOMPANHADO DO GENERAL MIGUEL COSTA PARA EXAMINAREM IN LOCO O CASO PAULISTA TRAZENDO-ME O NOME DO INTERVENTOR. ESTE NÃO PODE PERTENCER AOS ELEMENTOS QUE HOSTILIZAM O GOVERNO. DEVE SER UM CIVIL PAULISTA MAS QUE INSPIRE CONFIANÇA À REVOLUÇÃO.
22 A 23
OUÇO O MINISTRO DA JUSTIÇA APÓS SEU REGRESSOA SÃO PAULO E RESOLVO CHAMA, POR INTERMEDIO DO GENERAL MIGUEL COSTA, O PROFESSOR ULPIANO SEM COMPROMISSO PARA OUVIR.
A NOITE NO GUANABARA, FLORES LEMBROU EXPONTANEAMENTE DO EX MINISTRO PEDRO DE TOLEDO PARA INTERVENTOR EM SÃO PAULO. CHAMEI DEPOIS O MINISTRO DA JUSTIÇA QUE ME CONTOU QUE HAVIA ESTADO EM CONFERENCIA COM PEDRO DE TOLEDO DO QUAL TRAZIA EXCELENTE IMPRESSÃO. A DUPLA SUGESTÃO FORA SIMPLES COINCIDENCIA. NÃO HAVIAM CONVERSADO A RESPEITO, MAURICIO E FLORES.
24 A 29
CHAMEI O CORONEL RABELO COMUNICANDO-LHE A ESCOLHA DO DR PEDRO DE TOLEDOPARA INTERVENTOR EM SÃO PAULO. ELE REGRESSA PRONTO A DAR POSSE AO SUCESSOR
SIGO PARA PETRÓPOLIS. VEJO NOS JORNAIS OS PROTESTOS DOS CHAMADOS ELEMENTOS REVOLUCINÁRIOS DE SÃO PAULO CONTRA A NOMEAÇÃODO EMBAIXADOR PEDRO DE TOLEDO PARA INTERVENTOR.
O GENERAL MIGUEL COSTA AINDA NÃO RECEBEU MINHA CARTA PARTICIPANDO-LHE QUE O GOVERNO NÃO PODE MAIS VOLTAR ATRAZ DE SUA ATITUDE QUE CUMPRE SER ACATADA.
MARÇO
1 A 3
NOMEEI O INTERVENTOR DE SÃO PAULO
16 E 17
DIVERGENCIA ENTRE OS GENERAIS GOIS MONTEIRO E MIGUEL COSTA EM SÃO PAULO
ABRIL
6 A 11
REFORMEI O GENERAL ISIDORO E NOMEEII O CHEFE DE POLICIA, CAPITÃO JOÃO ALBERTO
12 A 14
REGRESSO AO RIO. RECEBO DO RIO GRANDE E DE SÃO PAULO NOTICIAS DE QUE SE TRAMA UMA CONSPIRAÇÃO PARA DEPOR O GOVERNO.
17
A NOITE NO GUANABARA RECEBO A VISITA DE VIRGILIO MELO FRANCO QUE ME TRAZ A NOTICIA POUCO AGRADAVEL DE QUE A COMISSÃO CENTRAL MINEIRA ESTÁ FAZENDO PONDERAÇÕES SOBRE A NECESSIDADE DE UM ENTENDIMENTO DO GOVERNO FEDERAL COM SÃO PAULO E RIO GRANDE DO SUL E NÃO FALANDO NA INDICAÇÃO.
18 A 22
ANTONIO CARLOS PROPÕE UM PLANO PARA DESTACAR 3 EMISSARIOS- BERNARDES PARA O RIO GRANDE DO SUL, VENCESLAU PARA SÃO PAULO E VIRGILIO COM O 3 DE OUTUBRO PARA PROMOVEREM UM ENTENDIMENTO NO SENTIDO DE APOIAR O GOVERNO MEDIANTE A ADOÇÃO DE CERTAS MEDIDAS:
REVIGORAMENTO DA CONSTITUIÇÃO FERDERAL, MENOS QUANTO AO PODER LEGISLATIVO, CRIAÇÃO DE UM CONSELHO CONSULTIVO FEDERAL E CONSTITUCIONALIZAÇÃO, OU ANTES, RECONSTRUÇÃO DA NOVA ORDEM LEGAL MEDIANTE FASES SUCESSIVAS ATÉ 30 MESES. ACEITEI EM PRINCIPIO…
23 A 26
REUNO A NOITE NO GUANABARA OS MINISTROS DA GUERRA, MARINHA, FAZENDA, O GENERAL GOIS, O CORONEL RABELO, O MAJOR JUAREZ E O CAPITÃO JÕAO ALBERTO.
PERANTE A ASSISTENCIA O GENERAL GOIS EXPÕE SUA ATUAÇÃO EM SÃO PAULO E JUSTIFICA SUA CONDUTA. APROVADA QUANTO AS INTENÇÕES RESOLVE-SE TIRAR AS NECESSARIAS CONSEQUENCIAS. SERÃO DADAS AO PAIZ SOLUÇÕES DE ORDEM GERALSOBRE A CONSTITUCIONALIZAÇÃO QUE SATISFARÃO OS PONTOS DOUTRINARIOS E QUANTO AO CASO ESPECIAL DE SÃO PAULO DOU LIBERDADE AO INTERVENTOR PARA RECOMPOR SEU GOVERNO SEM RECONHECIMENTO OFICIAL DA FRENTE ÚNICA.
MAIO
1 A 3
ONTEM A NOITE, PROCURARAM-ME O MINISTRO DA GUERRA E O CORONEL RABELO PARA COMUNICAR-ME A ATITUDE DE APREENSÃO DOS REVOLUCIONÁRIOS COM AO TELEGRAMA DO INTERVENTOR DE SÃO PAULO PASSADO AO DR ALTINO ARANTES.
4 A 7
SURGEM GREVES EM SÃO PAULO DE NUMEROSAS CLASSES DE OPERÁRIOS E , NESTA CAPITAL, DOS EMPREGADOS DA LIGHT. ESTA FOI DOMINADA NO MESMO DIA RESTABELECENDO-SE O TRÁFEGO.
O INTERVENTOR PEDRO DE TOLEDO CONTINUA EM NEGOCIAÇÕES POLÍTICAS PARA A REORGANIZAÇÃO DO GOVERNO. O SECRETÁRIO DA FAZENDA E O GENERAL MIGUEL COSTA MOSTRAM-SE DESGOSTOSOS COM A MARCHA DOS ACONTECIMENTOS.
8 A 13
TERMINADA A TENTATIVA DE GREVE NESTA CAPITAL . CONTINUA A GREVE EM SÃO PAULO.
14
RECEBO TELEGRAMA DO INTERVENTOR DE SÃO PAULO TRANSMITINDO DOIS GRUPOS DE NOMES DO PARTIDO REPUBLICANO PAULISTA E DO PARTIDO DEMOCRÁTICO PARA A RECOMPOSIÇÃO DE SEU SECRETARIADO.
14 A 18
CONTINUAM AS DEMARCHES PARA A SOLUÇÃO DO CASO PAULISTSA. NÃO RECONHEÇO NEM TRATO COM A FRENTE QUE, JUNTAMENTE COM A DO RIO GRANDE, CONSPIRAVA CONTRA O GOVERNO. RESOLVI ENVIAR O OSVALDO ATÉ LÁ DEPOIS QUE RECEBI A VISITA DO MARREY JUNIOR E ANTONIO FELICIANO.
19 A 22
OSVALDO SEGUIU PARA SÃO PAULO LEVANDO INSTRUÇÕES PARA RESOLVER O CASO. TELEGRAFA-ME ALARMADO COM A EXALTAÇÃO POPULAR, PREPARATIVOS DE REVOLUÇÃO E ANARQUIA MILITAR. RESPONDO-LHE REAFIRMANDO AS INSTRUÇÕES E TOMO PROVIDENCIAS SOBRE A MANUTENÇÃO DA ORDEM.
23
A SITUAÇÃO DE SÃO PAULO SE AGRAVA. GRANDE EXALTAÇÃO POPULAR PERCORRE AS RUAS. ATACAM JORNAIS, A SEDE DA LEGIÃO, PROVOCAM CONFLITOS- E A FRENTE ÚNICA IMPOS UM NOVO SECRETARIADO.ASSUMIU O SECRETÁRIO DA JUSTIÇA QUE DEMITIU MIGUEL COSTA.
NOMEEI O CORONEL RABELO PARA ASSUMIR O COMANDO DA REGIÃO E SEGUIR COM INSTRUÇÕES PARA RESTABELECER A ORDEM
O GENERAL GOIS MONTEIRO SERÁ INVESTIDO NO COMANDO DA REGIÃO EM SUBSTITUIÇÃO AO GENERAL JÕAO GOMES QUE PEDIU DEMISSÃO. FICOU TAMBÉM RESOLVIDO QUE SE ENVIASSSEM TROPAS A SÃO PAULO.
TUDO FICOU RESOLVIDO A NOITE COM O COMPARECIMENTO AO GUANABARA DOS MINISTROS DA GUERRA, MARINHA,, GENERAL GOIS, CORONEL RABELO, MAJOR TAVORA , DR PEDRO ERNESTO E O CAPITÃO JOÃO ALBERTO.
24
RECEBO COMUNICAÇÃO DO CORONEL AVILA LINS SOBRE A VINDA DE CORPOS DO INTERIOR DO ESTADO PARA MANTER A ORDEM E COMUNICAÇÃO DO INTERVENTOR SOBRE A NOMEAÇÃO DOS NOVOS SECRETÁRIOS. TELEGRAFO A FLORES DA CUNHA INFORMANDO SOBRE AS OCORRENCIAS EM SÃO PAULO.
25 A 27
REGRESSO DE OSVALDO. CONVOCO REUNIÃO NO GUANABARA DOS PROCERES REVOLUCIONARIOS PERANTE OS QUAIS OSVALDO EXPÕE AS OCORRENCIAS. TODOS OPINAM QUE O SECRETARIADO DEVE SER SUBSTITUIDO PELA FORMA COM QUE SE ORGANIZOU. OSVALDO PENSA QUE SE DEVE CONTEMPORIZAR. ENVIO INSTRUÇÕES AO CORONEL RABELO POR INTERMEDIO DO MAJOR CORDEIRO DE FARIAS.
RECEBO TELEGRAMA DO INTERVENTOR DE SÃO PAULO COM O SECRETARIO COMUNICANDO O ATO E MANIFESTANDO DISPOSIÇÕES DE COLABORAR COM O GOVERNO FEDERAL. O CHEFE DE POLICIA REALIZA ALGUMAS PRISÕES DE POLÍTICOS REACIONÁRIOS QUE CONSPIRAVAM.
O GENERAL GOIS MONTEIRO ASSUME O COMANDO DA 1ª REGIÃO MILITAR E O CORONEL RABELO DA 2ª.
28 A 30
MINAS REAFIRMA SUA SOLIDARIEDADE ATIVA AO GOVERNO FEDERAL POR INTERMEDIO DE VIRGILIO MELO FRANCO. FLORES TELEGRAFA-ME HIPOTECANDO O APOIO DOS CHEFES DOS PARTIDOS POL[ITICOS PARA MANTER A SITUAÇÃO CRIADA EM SÃO PAULO. RESPONDO DIZENDO QUE A MANUTENÇÃO DO GOVERNO DE SÃO PAULO DEPENDE DA SUA ATITUDE DE LEALDADEE COLABORAÇÃO COM O GOVERNO FEDERAL
CONTINUA AGITADA A QUESTÃO DOS TENENTES CONTRA O MINISTRO DA GUERRA. OSVALDO QUE SE ENTENDERA COM FLORES PEDINDO O APOIO DO RIO GRANDE NO CASO DE SÃO PAULO TRAZ-ME A NOTICIA DE QUE TODA A GUARNIÇÃO DA CAPITAL, INCLUSIVE A POLICIA, ESTAVA CONTRA O MINISTRO DA GUERRA E QUERIA SUA RETIRADA DO CARGO.
RECEBO A VISITA DE MORAIS BARROS, NOVO SECRETÁRIO DA FAZENDA DE SÃO PAULO , QUE REAFIRMA O DESEJO DE COLABORAÇÃO JUNTO AO GOVERNO FEDERAL.
JUNHO
6 A 8
O CORONEL RABELO MANDA UM EMISSÁRIO PAR A MANIFESTAR-ME SUA DESCONFIANÇA DO NOVO GOVERNO PAULISTA. CHAMO O SECRETÁRIO DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO. ACOMPANHOU-O O DR MORATO. TIVEMOS ONTEM A NOITE LONGA CONFERENCIA ASSISTIDA PELO OSVALDO.. DESFAZEM-SE PREVENÇÕES E QUEIXAS. EM RESUMO, RABELO QUER A MUDANÇA DO COMANDO DA FORÇA PUBLICA DE SÃO PAULO E O GOVERNO PAULISTA QUER A RETIRADA DO TENENTE CORONEL DANIEL, IRMÃO DE MIGUEL COSTA, DO COMANDO DE UM CORPO DA FORÇA PUBLICA.
16 A 18
O CORONEL RABELO CONTINUA IMPERTINENTE QUERENDO INTERVIR POLITICAMENTE EM SÃO PAULO PARA MODIFICAR O GOVERNO.
DIA 30 A 1 DE JULHO
CHAMO MORATO DE SÃO PAULOCOM QUEM CONVERSO NA PRESENÇA DE OSVALDO E DO GENERAL GOIS SOBRE A ATITUDE DE SÃO PAULO. ELE REAFIRMA O PROPÓPOSITO CONCILIATÓRIOE PROPÕE A REABERTURA DE NEGOCIAÇÕES.
JULHO
2 E 3
VASCONCELOS A MEU CONVITE VAI PARA SÃO PAULO. O CORONEL RABELO CONTINUA COM SUA ATITUDE INTRANSIGENTEQUERENDIO IR PARAS SÃO PAULO E PEDINDO REFORÇO DE TROPAS COMEÇA A QUEIXAR-SE E A DEBLATEAR CONTRA O GOVERNO.
4 A 6
CONVERSO COM O CORONEL RABELO SOBRE A SUBSTITUIÇÃO DO COMANDO DA 2ª REGIÃO, SUA PROMOÇÃO A GENERAL E SUA NOMEAÇÃO PARA CHEFE DA CASA MILITAR.
7
SOU INFORMADO QUE O GENERAL KLINGER ESTÁ EM ATITUDE DE REBELDIA HAVENDO MANDADO UM OFICIO AO MINISTRO DA GUERRA EM QUE SE RECUSA A RECONHECER SUA AUTORIDADE. O GENERAL GOIS ESTÁ EM CONVERSAÇÕES COM ELE PELO TELÉGRAFO PARA DISSUADI-LO DE SUA ATITUDE.
A NOITE, CONVERSO COM O MINISTRO DA GUERRA E O GENERAL GOIS SOBRE VARIAS MEDIDAS A TOMAR SOBRE SÃO PAULO E PARANÁ.
8
O GENERAL KLINGER MANTEM A A ATITUDE DE REBELDIA. RECUSA-SE A ATENDER AS RAZÕES DO GENERAL GOIS. O GENERAL JOHNSON SEGUIU PARA MATO GROSSO A CONFERENCIAR COM ELE, COM AUTORIZAÇÃODO GOVERNO. ESTE DECIDE-SE TOMAR MEDIDAS MILITARES PARA REDUZIR O REBELDE. COMBINO MEDIDAS COM O MINISTRO DA GUERRA, O CHEFE DO ESTADO MAIOR, O COMANDANTE DA 1ª REGIÃO, O CHEFE DE POLICIA, OS MINISTROS DA MARINHA E FAZENDA E ALGUNS PRÓCERES REVOLUCIONARIOS.
9
O MINISTRO DA GUERRA PROPOS A DEMISSÃO E A REFORMA ADMINISTRATIVA DO GENERAL KLINGER QUE IMEDIATAMENTE ACEITA.
O GENERAL KLINGER RENDEU-SE, PASSOU O COMANDO DA CIRCUNSCRIÇÃO. O GENERAL GOIS QUE DESENVOLVEU GRANDE ATIVIDADE NAS MEDIDAS MILITARES E ACOSSELHANDO ELEMENTOS DE SÃO PAULO, EMPENHA-SE PARA QUE O GENERAL KLINGER NÃO SEJA REFORMADO ADMINISTRATIVAMENTE.
POLITICOS EXALTADOS EM SÃO PAULO QUIZERAM ADERIR AO GENERAL KLINGER. O COMANDANTE DA FORÇA PUBLICA VACILANTE OU MANCOMUNADO.
NO RIO GRANDE CONSPIRA-SE. TUDO LEVA A CRER QUE SE KLINGER CONSEGUISSE APOIO DE MATO GROSSO E MARCHASSE EM DIREÇÃO A SÃO PAULO ENCONTRARIA GRANDE APOIO NESTE ESTADO. PARECE QUE A CRISE PASSOU. MIUITO INFLUIU NA DEFINIÇÃO DOS ACONTECIMENTOS A ATITUDE DE LEALDADE E DECISÃO DE FLORES DA CUNHA.
10 E 11
IRROMPE O MOVIMENTO REVOLUCIONÁRIO EM SÃO PAULO. TODO O TEMPO ABSORVIDO NAS PROVIDENCIAS PARA COMBATE-LO. MOROSIDADES, CONFUSÕES, ATROPELOS, DEFICIENCIAS DE TODA ORDEM, FELONIA, TRAIÇÕES, INERCIA. ALGUMAS DEDICAÇÕES REVOLUCIONARIAS. UM ATO IMPRESSIONANTE A SOLIDARIEDADE DO RIO GRANDE ATRAVES DE FLORES DA CUNHA. A UNANIMIDADE DO NORTE, SOLIDARIEDADE E COLABORAÇÃO DOS DEMAIS ESTADOS.
NOMEAÇÃO DO GENERAL GOIS PARA COMANDANTE DA TROPA EXPEDICIONARIA. STOCK DE CARABINAS DO MATERIAL BELICO: APENAS 4700! OS AVIÕES DO EXERCITO QUE DEVIAM VOAR NÃO TEM BOMBAS!
12 E 13
O STOCK NÃO É DE 4700, MAS DE 180 MIL. AINDA BEM.
EM MINAS TRAIÇÃO DE BORBA TRAZIDO PRESO. EM SÃO PAULO, TRAIÇÃO DE VASCONCELOS, DE TODO O GOVERNO PAULISTA, INCLUSIVE A VELHA MUMIA QUE EXUMEI DO ESQUECIMENTO, O INTERVENTOR PEDRO DE TOLEDO.

NOTA: O DIÁRIO DE GETÚLIO VARGAS PROSSEGUE ATÉ O ANO DE 1942

COMPARTILHAR