Notícias

Intel constrói chip para funcionar como o cérebro humano

Por Engenharia é

Publicado em 10 de outubro de 2017
Controlar tamanho de fontes:



A Intel voltou seu olhar para o cérebro humano para inspirar o design do seu último chip. O chip experimental chamado “Loihi” usa um tipo de tecnologia não provado chamado “neuro mórfico”. O novo chip ignora o design tradicional das portas lógicos e em vez disso, usa “neurônios de pico” como sua unidade de computação fundamental.

Esses neurônios de computador podem mover sinais em um chip Loihi com cerca de 130.000 neurônios simulados. Para colocar isso em perspectiva, uma lagosta tem cerca de 100.000 neurônios e o cérebro humano tem cerca de 80 bilhões de neurônios.

O design baseado em aumento da carga de trabalho do cérebro, mas usa menos energia

A teoria de se voltar para o cérebro humano como modelo de base para o processamento, em vez de outras formas, é que o uso desse método pode permitir um aumento da velocidade de aprendizado da máquina sem os requisitos de energia maciça. Os cérebros humanos funcionam comunicando informações com pulsos ou espigões. As células cerebrais não funcionam sozinhas; a atividade de um neurônio afeta o outro à medida que a informação é transmitida.

Isso significa que grupos de células que trabalham em conjunto são o que aumentam a inteligência e a aprendizagem. Se pensarmos sobre isso em termos de chip, o que podemos ver se o consumo de energia é compartilhado entre os grupos e está sendo “ligado” o tempo todo. Os cérebros humanos funcionam através da transmissão de informações com pulsos, fortalecendo conexões freqüentes e armazenando as mudanças localmente em interconexões de sinapse.

Intel diz que o novo chip tem potencial para uso em robôs pessoais

Esses tipos de chips podem levar ao tipo perfeito de Inteligência Artificial – que podem aprender à medida que são executadas, ao invés de ser ensinado uma longa lista de tarefas antes de começar seu trabalho designado. A Intel já está de olho nas aplicações deste chip dizendo: “O chip de teste [tem] um enorme potencial para melhorar as aplicações automotivas e industriais, bem como robôs pessoais”.

Embora o som neuro mórfico seja bom teoricamente, eles ainda não mostraram seu verdadeiro potencial contra a tecnologia atual de aprendizado profundo. Mas isso não impede as grandes empresas de tentarem continuar experimentando com esta nova tecnologia. A IBM construiu um chip neuro mórfico chamado “TrueNorth” que possui 4.096 processadores que simulam cerca de 256 milhões de sinapses. Mas mesmo com o poder potencial, o especialista em aprendizado profundo do Facebook, Yann LeCun, disse que está convencido de que o chip poderia suportar tarefas complexas como o reconhecimento de imagens.

Chip para ser compartilhado com pesquisadores líderes de Inteligência Artificial

A Intel está determinada a empurrar Loihi na medida do possível e irá procurar “instituições líderes de ensino e pesquisas” como um campo de testes para os chips. Eles planejam permitir que essas instituições que tenham uma agenda IA séria tenham livres acessos para impulsionar seu desenvolvimento e potencial.

Os chips serão criados usando a tecnologia de processo de 14 nanômetros da Intel e serão distribuídos em novembro deste ano.

 


Comente no Facebook

Comente no IE
0 Comentários

obrigatório

obrigatório

 


Conheça a estrutura do Instituto e o que ele pode oferecer para você