Pessoas que conseguiram produzir energia elétrica para comunidades inteiras “do nada”

Estamos vivendo muitas crises ao mesmo tempo no Brasil neste momento, sendo uma delas a crise de energia elétrica. Isto mexe com o nosso bolso de tantas formas que nem conseguimos imaginar. Especialistas do mundo todo admitem que estes serão problemas que vão se agravar cada vez mais no futuro se não agirmos investindo mais em soluções para conservação dos mananciais e produção de energias limpas. E tem muito engenheiro ou estudante de engenharia por aí que desmerece o potencial de sua força de vontade para mudar o mundo, sendo que poderia estar fazendo mais, muito mais pelo próximo!

O texto a seguir conta, resumidamente, a história de duas pessoas que acreditaram que #engenhariatransforma e foram à luta! Elas usaram o seu conhecimento para o bem e mudaram vidas. Que o seu exemplo sirva de inspiração para você também!

Homem constrói usina hidrelétrica para a vizinhança

O norte-americano Dave Brailey, de Anchorage, no Alaska, ficou uma vida inteira trabalhando com hidrologia. Quando se aposentou, passou a viver na comunidade de Eagle River. Ele poderia ter curtido a nova fase só descansando. Contudo, o homem resolveu – em parte por passatempo – construir uma mini-usina hidrelétrica de geração constante de energia para a sua casa e mais 300 da vizinhança – no total, mil pessoas beneficiadas.

De início, Dave tentou conseguir verbas públicas para o seu ambicioso projeto. Mas, no fim das contas, ele mesmo resolveu desembolsar US$ 1,7 milhão. Também a maior parte do trabalho físico foi feito por ele mesmo, com a ajuda ocasional de familiares e amigos. Ele usou um cano de 18″ para coletar a água na nascente sob a encosta da montanha próxima e canalizá-la ao longo de 400 m. Um computador é utilizado para gerir a rede e destinar a eletricidade para as linhas de força.

Recentemente, ele contratou um engenheiro civil para supervisionar a estrutura e outros profissionais para atestar a segurança do gerador de energia. A saber, atualmente, a sua mini-usina gera até 300 quilowatts, mesmo em períodos de estiagem. Segundo o hidrologista, em cerca de 15 anos, todo o projeto terá “se pagado” e continuará produzindo energia elétrica para as futuras gerações.

Homem cria máquina geradora de energia a partir de sucata

O jovem Colrerd Nkosi, que vive em um pequeno vilarejo no Malauí, uma pequena nação do leste africano, também foi autor de um feito incrível! E seu exemplo é ainda mais especial, pois ele não apenas alcançou seu objetivo, beneficiando milhares de estudantes, como também O jovem não apenas alcançou seu objetivo (e beneficiou milhares de estudantes), mas também ganhou um prêmio concedido pela Rainha da Inglaterra! Não é impressionante?

Agora, você pode pensar que Nkosi é um engenheiro formado, mas, não. Ele é, na verdade, um inventor autodidata que ama as engenharias e áreas afins. Pois, veja, mesmo sem instrução “especial”, conseguiu criar uma turbina com potencial suficiente para produzir energia elétrica para mil casas ou 2 mil pessoas – com possibilidade de expansão de rede. O sistema utilizado tem baixo impacto contra o meio ambiente. Até é o contrário, pode reduzir o desmatamento local, já que os moradores da região não mais precisarão cortar árvores para obter carvão.

Hoje, no país onde vive Colrerd Nkosi, só 11% da população tem acesso à eletricidade. Esse dado faz com que possamos entender a importância do seu feito! E se você pensou que ele “leva” algum lucro sobre isto, está enganado! A pequena usina montada por ele não gera lucro algum. A única cobrança pelo seu serviço é uma taxa de manutenção de R$ 6 por mês.

O plano de eletricidade sustentável gerado pelo inventor começou com a criação de uma turbina sobre um antigo motor de máquina de descasque de milho reciclado. Nkosi fez muitos experimentos sobre isso. Colocou uma espécie de bicicleta no rio próximo ao vilarejo e usou a correnteza para mover os pedais para gerar força. E, no fim das contas, começou usando um velho compressor de geladeira para converter energia suficiente para algumas residências da vizinhança. Loco, muito mais vizinhos pediram os seus serviços!

Fonte: Engenharia 360