Uma pequena volta pelo fantástico mundo da Engenharia

Trust in me, I’m an engineer. Essa frase tem um efeito lindo, seja em inglês, português ou até mesmo alemão. Afinal, é inegável o tamanho do nosso orgulho quando afirmamos que somos engenheiros(as) (ou que seremos em breve – quando a faculdade que parece infinita acabar). Por isso, te convidamos para uma volta rápida pelo fantástico mundo da Engenharia para entender como ele funciona.

Imagem: redbubble.com

+ Engenharia: o que é e para que serve?
Para variar, podemos escolher um novo caminho e partir de uma definição sobre o que fazemos como engenheiros(as). Um(a) engenheiro(a) muda o mundo ao seu redor, transformando e promovendo qualidade de vida em vários quesitos. Então, a Engenharia é um campo de aplicação científico que fornece o embasamento e a teoria que o(a) engenheiro(a) aplica durante a transformação do mundo.

Imagem: cpp.edu

Olhando para trás, vemos como a Engenharia traçou um longo percurso, das ferramentas de pedra até a Inteligência Artificial e os robôs atuais, para buscar melhorar a qualidade de vida e o conforto da população (nós já contamos a história sobre como surgiu a Engenharia aqui). Se desenvolvemos ferramentas, tecnológicas ou não, é porque queremos facilitar a nossa vida e isso é algo que fazemos há muito, muito tempo.

Isso quer dizer que engenheiros(as) estão espalhados por aí desde não se sabe exatamente quando (já que não necessariamente tinham o título) mudando o mundo. Definitivamente, é isso que fazemos (e esperamos que seja para melhor e não para a pior).

+ Não suba demais
Com a definição do que é essa coisa maravilhosa que chamamos de Engenharia, podemos dar o próximo passo para entender como funciona esse universo. Porém, antes disso, é preciso esclarecer uma questão muito importante que envolve o poder de ser um(a) engenheiro(a).

É preciso ter cuidado para não subir em um pedestal alto demais. Os desenhos animados já nos ensinavam, anos atrás, que quanto maior a altura, maior será a queda. Não deixe seu ego explodir e refletir na sua carreira e em sua vida pessoal. Todo mundo sabe que uma pessoa arrogante é desagradável. Não seja essa pessoa!

Imagem: telegraph.co.uk

Mantenha os pés no chão. Você pode ser um(a) engenheiro(a) maravilhoso, mas será um péssimo profissional se começar a achar que pode dominar o mundo. Você é um(a) engenheiro(a), mas não é nenhum Tony Stark não (e mesmo e fosse, né?).

+ O mundo da Engenharia: como chegamos até aqui e para onde vamos?
Com a definição esclarecida e os avisos dados, chegamos então na parte que interessa. Primeiro, vem a questão sobre como chegamos aqui. Quase todo mundo tem uma história para contar sobre como escolheu (ou foi escolhido) pela Engenharia. Mesmo quem não parece ter uma história e caiu de paraquedas, acredite, isso é uma história (e costuma ser uma das melhores).

Perdidos ou não, cá estamos, ansiosos para mudar o mundo. Depois de formados, somos como formiguinhas soltas pelo mundo, prontas para exercer nossas profissões e construir um mundo melhor. Isso é, quando conseguimos um emprego para exercer nossas profissões, certo? Errado!

Na verdade, o ser engenheiro(a) é tão intrínseco em nós que não há distinção entre o que fazemos como trabalho e forma de sobreviver do que vivemos. Você sempre estará por aí com seu olhar clínico tentando consertar algo estragado, pensando como tudo funciona por dentro e imaginando o giro das engrenagens que movem o mundo. Isso é engenharia, isso é ser engenheiro(a).

Imagem: techcrunch.com

Ainda, isso comprova que a mudança que a Engenharia prevê começa em nós. Somos os primeiros a sofrer as modificações e é a partir delas que estamos prontos para mudar o mundo.

Também precisamos saber que, para mudar o mundo, não é necessário reinventar a teoria da relatividade ou construir uma supermáquina do tempo que pode salvar a população. Aqui, retornamos à questão do ego e a não necessidade de pensar grande.

É claro que precisamos de engenheiros(as) que tenham soluções inovadoras e consigam provocar grandes mudanças. Mas também precisamos de engenheiros(as) que atuem localmente, que pensem em resolver problemas de pequenas comunidades que estão em situações que não conseguimos nos imaginar nem por um dia.

Imagem: enproxoverseas.com

Se conseguirmos melhorar a vida de pelo menos uma pessoa, seja com um pequeno dispositivo ou engenhoca barata (vulgo gambiarra), certamente já cumprimos nossa maior missão como engenheiros(as). Entender isso talvez seja a cereja da sua transformação e significa que você está preparado para sair por aí mudando o mundo, ou seja, sendo engenheiro(a).

Fonte Engenharia 360

COMPARTILHAR